Menu

Fale Conosco Expediente

Corumbá, MS
17 de Outubro de 2017
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
 

Cesare Battisti permanece preso preventivamente até decisão sobre extradição

Lívia Gaertner em 05 de Outubro de 2017

O italiano Cesare Battisti deve permanecer preso, segundo decisão do juiz federal Odilon de Oliveira, que converteu a prisão em flagrante para prisão preventiva  durante audiência de custódia realizada na tarde desta quinta-feira, 05 de outubro, na sede da Justiça Federal em Corumbá, através de videoconferência.

Cesare chegou escoltado por policiais federais que fizeram a prisão dele na tarde de quarta-feira, 04 de outubro, quando ele tentava cruzar a  fronteira dentro de um táxi boliviano, juntamente com mais duas pessoas, e a quantia de US$ 5 mil (cerca de R$ 16 mil)  e 2 mil euros (aproximadamente R$ 7,3 mil).

Em sua defesa, o refugiado, que está no Brasil desde 2010, alegou que iria fazer compras em um centro comercial onde a intenção, segundo ele, era adquirir vinhos, casacos de couro e produtos para pesca.

Anderson Gallo/Diário Corumbaense

Cesare Battisti foi preso em flagrante por evasão de divisas quando tentava entrar na Bolívia

Ao ser perguntado pelo juiz Odilon, Battisti respondeu que nunca teve a intenção de sair do país, onde tem um filho de 4 anos de idade. Battisti disse à Justiça que morava na cidade paulista de Cananeia depois que se separou da esposa. Alegou que não imaginava que a quantia que portava podia lhe acarretar problemas com a lei, justificando que estava na companhia de outras pessoas. Além disso, o italiano declarou que entendia que o referido centro de compras estava em uma área internacional pertencente ainda ao Brasil.

O Ministério Público Federal pediu a prisão preventiva de Battisti alegando garantia da ordem pública. O procurador, que assim como o juiz Odilon, estava em Campo Grande, embasou o pedido lembrando que Battisti é reincidente, condenado por 4 crimes em seu país de origem onde os mesmos ainda não prescreveram e que, diante de uma possibilidade de fuga, o estrangeiro coloca as relações diplomáticas entre Brasil e Itália em estado delicado.

Em sua decisão, o juiz Odilon citou a lei 9474/97, que define mecanismos para a implementação do Estatuto dos Refugiados no artigo 39, incisos III e IV, ou seja, a perda da condição de refugiado mediante “o exercício de atividades contrárias à segurança nacional ou à ordem pública” e “a saída do território nacional sem prévia autorização do Governo brasileiro”.

O magistrado ainda determinou o envio de cópia de decisão ao STF – Supremo Tribunal Federal, órgão judicial onde tramita o pedido de extradição de Battisti feito pela Justiça Italiana.

Anderson Gallo/Diário Corumbaense

Durante audiência, Cesare Battisti alegou que iria fazer compras em centro comercial ao cruzar a fronteira

Os advogados de defesa do ex-ativista em Corumbá, Maarouf Fahd e Felipe Inocêncio, afirmaram que irão recorrer da decisão, a princípio, por meio de um habeas corpus junto ao Tribunal Regional Federal da 3ª Região.

“Entendemos que essa decisão é um pouco arbitrária porque não foram preenchidos os requisitos da prisão preventiva. Ele comprovou que tem residência fixa, que veio somente a passeio, então, não teria motivo justificador para manter e decretar essa prisão preventiva”, disse o advogado Felipe Inocêncio.

A prisão em flagrante

Policiais rodoviários federais abordaram um veículo particular onde se encontrava o estrangeiro na tarde de quarta-feira, na BR-262. Durante a abordagem foi identificado que Cesare Batisti, juntamente com 2 outros passageiros, portavam uma quantia significativa em moeda estrangeira. Por se tratar de região de fronteira, os policiais rodoviários federais comunicaram a Polícia Federal, que realizou o acompanhamento do veículo até a divisa entre os dois países. Battisti foi detido no momento em que tentava sair do Brasil em um táxi boliviano. 

O ex-ativista portava a quantia de US$ 5 mil (cerca de R$ 16 mil)  e 2 mil euros (aproximadamente R$ 7,3 mil). Qualquer pessoa que cruze a fronteira do Brasil com mais de R$ 10 mil em espécie, em moeda nacional ou estrangeira, tem que fazer a declaração à Receita Federal.

Battisti foi condenado a prisão perpétua em seu país, pela morte de quatro pessoas entre os anos de 1977 e 1979 e vive refugiado no Brasil desde 2010, por decisão do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. 

Após a audiência o ex-ativista foi levado de volta para a Polícia Federal de Corumbá, mas pode ser transferido, se as autoridades competentes determinarem. 

Ações e Compartilhamento
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE