Menu

Fale Conosco Expediente

Corumbá, MS
24 de Outubro de 2017
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
 

Maioria dos clubes filiados à LEC decide não doar estádio Arthur Marinho à Prefeitura

Ricardo Albertoni e Rosana Nunes em 04 de Outubro de 2017

A decisão que deve causar mudanças no futebol de Corumbá e que coloca um ponto de interrogação em relação a casa do Corumbaense nas competições que o time vai disputar em 2018, foi tomada na noite desta terça-feira, 03 de outubro.

Durante assembleia geral extraordinária convocada pela presidência da LEC (Liga de Esportes de Corumbá), realizada no estádio Arthur Marinho, doze das quinze equipes filiadas à entidade: Nacional, Planalto, Nova Corumbá, Amigos, Brandão Júnior, Cruzeiro, A. Castro, Aeroporto, Borrowiski,  João de Deus, Verde Oliva e Vasco da Gama, decidiram por 7 votos a 5, pela não doação do estádio à Prefeitura de Corumbá. Representantes de Enira, São Vicente e Grêmio não compareceram à reunião que aconteceu a portas fechadas somente com a participação da diretoria da LEC e os presidentes dos clubes filiados. 

Ricardo Albertoni/Diário Corumbaense

Assembleia extraordinária contou com a participação de doze das quinze equipes filiadas à LEC

O pedido de doação tinha sido oficializado no dia 27 de setembro, durante reunião entre a diretoria da LEC, representantes de clubes, o prefeito Ruiter Cunha de Oliveira, além do vice-prefeito e diretor-presidente da Fundação de Esportes de Corumbá (Funec), Marcelo Iunes, e um representante da Procuradoria Geral do Município.

Na ocasião, o prefeito entregou ao presidente da LEC, Leôncio Ribeiro Raldes, ofício que esclarecia sobre o impedimento legal da prorrogação do convênio (002/2007) que termina no dia 26 de dezembro deste ano para administração da praça de esportes pelo Município, de acordo com a lei federal n° 13.091/2014.

Além dos esclarecimentos acerca da inviabilidade da realização de intervenções no estádio sem que o local seja incorporado ao patrimônio municipal, o documento lembrou dos esforços realizados desde 2007 que tornaram o palco do bicampeonato do Corumbaense Futebol Clube, um dos estádios mais seguros e modernos de Mato Grosso do Sul.

Além da apresentação de valores das despesas do estádio custeadas pelo Município do início do ano até o mês de agosto, cerca de R$ 139,3 mil, o prefeito destacou a importância da LEC e dos clubes filiados para o município e ainda garantiu que se o acordo fosse firmado, a entidade continuaria responsável pela administração do futebol amador na cidade e seguiria “recebendo todo o apoio necessário para a organização de suas competições oficiais”. 

A decisão da Liga, que vai ser apresentada oficialmente ao Município, praticamente encerra as tratativas sobre a municipalização do estádio. Com curto prazo para o início das reformas de adequação da praça esportiva, a Prefeitura já havia afirmado de maneira categórica que essa seria a “única alternativa" para que as intervenções fossem realizadas legalmente pelo município com recursos públicos.

Ao Diário Corumbaense, o presidente do clube Nova Corumbá, André Luís Pereira Fernandes, vereador André da Farmácia, que votou favorável à doação da praça de esportes, disse que apesar de ter ponto de vista diferente da maioria, respeita a decisão e torce para um entendimento entre Liga e Prefeitura. “Hoje, o esporte amador sem a presença do Poder Público não tem como se sustentar. Tanto que no primeiro ano que o Poder Público não entra com uma ação financeira nós não teremos o Campeonato Amador. Mas, a maioria decidiu e a gente respeita a posição, tomara Deus que apareça uma brecha, um mecanismo para que a situação se resolva", disse André.

O presidente da LEC, Leôncio Ribeiro Raldes não quis dar entrevista após a reunião e se manifestou por meio de nota, onde afirma que a entidade está aberta a definir com a Prefeitura "um outro convênio", o que segundo Raldes, "é permitido por lei". "Foram utilizados o que o Estatuto da entidade prevê e se coloca à disposição da administração pública municipal para a formalização de meios que possam promover novas medidas de readequação para a gestão e administração do futebol amador de Corumbá e do estádio Arthur Marinho", destacou no documento.

Já a Prefeitura, aguarda o posicionamento oficial da Liga de Esportes.

Anderson Gallo/Diário Corumbaense

Estádio Arthur Marinho já passou por várias melhorias, mas precisa de readequações para sediar competições nacionais

Adequações exigidas pela CBF

O Corumbaense Futebol Clube, atual campeão sul-mato-grossense vai disputar no próximo ano, além do campeonato estadual, duas competições de nível nacional: Copa do Brasil e Série D do Campeonato Brasileiro. Para participar dessas competições, o estádio Arthur Marinho, casa do Carijó da Avenida, precisa passar por uma série de adequações exigidas pela CBF (Confederação Brasileira de Futebol). Uma vez municipalizado, a Prefeitura buscaria parcerias com o Governo do Estado e bancadas estadual e federal para realizar as intervenções. Sem isso, o Corumbaense vai acabar mandando os seus jogos nacionais no Douradão, em Dourados, ou no Morenão, em Campo Grande. 

Situação de extrema preocupação para o presidente do Carijó da Avenida, Luiz Bosco Delgado. Para ele, a possibilidade de o time mandar os seus jogos fora de casa, inviabiliza a participação do clube nas competições. "Já trabalhamos com extrema dificuldade financeira, imagine jogando fora, os gastos com logística, alojamento, deslocamento. O aumento de despesas vai ser muito grande, sem contar que a torcida do Corumbaense, que sempre lotou o Arthur Marinho e incentivou a equipe, não vai poder acompanhar de perto a participação do time nas competições nacionais, o que sempre foi um sonho", disse ao Diário Corumbaense.

Bosco ressaltou que a cidade também vai deixar de ser vista como um novo celeiro do futebol e que tudo o que está acontecendo é um retrocesso. "Corumbá já teve o Riachuelo, o Marítimos e agora querem acabar também com o Corumbaense? Sim, porque esta decisão da LEC joga contra tudo o que vem sendo conquistado", frisou. 

 

Ações e Compartilhamento
Entre em contato com o autor
Comentários:

Luiz Mário Paulo dos Santos: Já que a LEC decidiram em não passar o estadio para a prefeitura, que cobraria deles todos os gastos feitos até o momento já que parece que eles tem bala na agulha, e mais uma vez torcedores que gritaram, torceram e vibraram morreram todos na praia, parabéns a LEC como sempre retrocedendo a cidade.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE