Menu

Fale Conosco Expediente

Corumbá, MS
24 de Outubro de 2017
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
 

É preciso partir para a ação

Da Redação em 27 de Setembro de 2017

E, Corumbá desses meus sonhos, e das minhas esperanças... A grande verdade é que a gente até quer viver em uma cidade tranquila com índices mínimos de violência, já que índice zero é impossível. Mas, infelizmente, não dá, e o pior é que a criminalidade cresce ao passo em que a cidade se desenvolve, sem que as forças de segurança acompanhem essa evolução. 

Quer dizer

Nem tanto, já que temos visto uma que, ao que parece, acordou, se levantou, se reergueu das cinzas. Ultimamente a Polícia Civil vem dando mostras de que tem condições de resolver muitos dos problemas de criminalidade que assolam a cidade e tem feito isso de forma eficaz. Fechamento de pontos de vendas de drogas, elucidação de crimes e prisão de bandidos entraram para a conta da instituição nos últimos meses. 

Crime bárbaro

Um homicídio em que a polícia conseguiu prender o suspeito, que cometeu uma atrocidade, foi aquele do Previsul. Um jovem de 22 anos foi morto a golpes de facão e teve partes do corpo arrancadas pelo assassino. Lucas Aragão de Barros, de apenas 18 anos, está preso e vai responder pelo crime bárbaro. 

Regeneração

Essa molecada de 13 anos em diante está praticando crimes cada vez mais horrendos. Esse de 18 mesmo, do homicídio do Previsul, queria esquartejar a vítima e até tentou arrancar a cabeça dela, mas não conseguiu. A grande pergunta é: tem regeneração?

E a pena de morte?

Assunto polêmico que ainda vai entrar em discussão ampla, assim que o Congresso Nacional parar de se autodefender pelos crimes de corrupção que os políticos cometem, talvez os parlamentares lembrem das necessidades do povo. 

De olho no acervo

O Exército convidou um delegado e um investigador para uma palestra sobre o tráfico de drogas em Corumbá. Com isso, os militares receberam informações importantes da Polícia Civil sobre a movimentação do crime organizado aqui na região de fronteira. Como agem os traficantes, como a droga atravessa a fronteira, como é vendida em Corumbá, enfim, dados valiosos frutos das investigações dos policiais. 

Seria um preparativo?

Parece até que o Exército está se preparando para uma atuação mais ostensiva na região. Lá no Rio de Janeiro os militares estão nos morros e nas ruas da cidade em busca dos traficantes. E todo mundo sabe que o melhor remédio para isso é vigiar as fronteiras para evitar que a droga entre em território brasileiro.

Esta inclusive

É uma esperança da população, que as Forças Armadas entrem na briga para acabar ou diminuir drasticamente o movimento do tráfico. A atividade é responsável por gerar a maior parte da violência que tanto atormenta o cidadão brasileiro. 

Mas é bom que se diga

Que o povo já está cansado dessas reuniões, palestras e seminários, principalmente daquelas dos comitês e outros órgãos que se formam pra anunciar que estão trabalhando para combater o tráfico e nada acontece. O povo quer ver ações eficazes, como as que os bandidos realizam. Eles, os bandidos, não fazem reuniões, partem para ação, roubam, assaltam e matam. Então por que as autoridades têm que fazer décadas de reuniões enquanto assistem o crescimento constante da criminalidade?

Ações e Compartilhamento
Entre em contato com o autor
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE