Menu

Fale Conosco Expediente Buscar

Corumbá, MS
18 de Junho de 2018
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
 

Governo planeja concurso todo ano para segurança, mas com números menores

Campo Grande News em 07 de Setembro de 2017

A Secretaria de Justiça e Segurança Pública de Mato Grosso do Sul apresentou ao governador Reinaldo Azambuja (PSDB) uma programação que prevê a realização de concurso público para a Polícia Militar e para o Corpo de Bombeiros anualmente pelos próximos 12 anos.

Marina Pacheco/CG News

José Carlos Barbosa, secretário estadual de Justiça e Segurança Pública

A série de concursos teria início neste ano, com a seleção de 500 policiais militares e 250 bombeiros, e em 2018 aconteceria outro certame com a mesma quantidade de vagas. A estratégia, segundo o titular da Sejusp, José Carlos Barbosa, é fazer concursos “menores” para gerar menos impacto na folha salarial e no batalhão, quando os policiais se aposentam.

“Abrir concurso para números menores, estrategicamente é muito melhor. Quando você faz um concurso com número definido menor, você seleciona os melhores, e 500 é um número interessante para começar”, explicou Barbosa.

O secretário estadual de Segurança alega que abrir um concurso com duas mil vagas, por exemplo, tem impacto imediato na folha salarial e, quando entrarem na reserva, serão dois mil policiais a menos na corporação de uma vez. Fora a questão dos remanescentes, que gerou uma série de questionamentos no concurso para a PM cujo edital foi lançado em 2013 e tinha validade até junho de 2016.

“Este é um problema que Mato Grosso do Sul está vivendo, porque grandes concursos geram grande número de aposentados quando chega o período de entrar na reserva”, avaliou José Carlos Barbosa. “A ideia é institucionalizar isso, num processo repetido. Para poder ao final de 12 anos a gente estar bem próximo do número interessante e razoável para o Estado”.

O quadro de militares ativos no Estado é de 5,9 mil homens e mulheres – média de um para cada 459 habitantes, uma vez que vivem em Mato Grosso do Sul 2,7 milhões de pessoas, conforme estimativa do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

O deficit no efeito é de quase 42%, se levado em conta a lei complementar 203, de 05 de outubro de 2015 – assinada por Reinaldo Azambuja. A legislação previa efetivo de 9.458 integrantes neste ano e a deficiência motivou abertura de inquérito do MPMS (Ministério Público de Mato Grosso do Sul).

A realização de uma série de concursos contribuiria para reduzir este déficit. “Com concurso menor o impacto não é tão grande, e para a academia não pesa muito”, disse Barbosa. “Você estabelece isso como política de Estado e coloca pressão para as próximas gestões tocarem isso. Há uma necessidade, olhando para o presente, de projetar para o futuro. Hoje não tem como fazer concurso para dois mil”, concluiu.

Ações e Compartilhamento
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE