Menu

Fale Conosco Expediente

Corumbá, MS
26 de Setembro de 2017
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
 

Relatório conjunto aponta necessidade de melhorias no Instituto Médico Legal de Corumbá

Lívia Gaertner em 23 de Agosto de 2017

Um trabalho conjunto entre vários órgãos do município produziu um relatório das reais condições que se encontram o prédio e a estrutura do IML (Instituto Médico Legal) em Corumbá. Alvo de constantes reclamações de moradores dos arredores desde 2011 devido ao mau cheiro que insiste em tomar conta do local, o prédio foi vistoriado por profissionais da Vigilância Sanitária, da Vigilância Ambiental, do Cerest (Centro de Referência em Saúde do Trabalhador) e do Conselho Municipal de Saúde, na manhã desta quarta-feira, 23 de agosto.

Quem mora no local afirma que o problema se arrasta há anos e com cenas que denunciam que algo não está funcionando como devia. “Já chegou até de urubu pousar aí no IML por causa do cheiro forte. Almoçar e jantar é algo que se torna uma tarefa desagradável. Vida social nem podemos ter por que como a gente vai trazer amigos nos finais de semana em casa? A população merece uma qualidade de vida, viver bem e não ficar convivendo de tempos em tempos com esse mau cheiro que exala do local”, declarou Valéria Maria Almeida Curvo que, inclusive, já ingressou com uma ação junto ao Ministério Público pedindo providências do Governo do Estado sobre a situação que também é de conhecimento de outros órgãos.

“É uma queixa antiga, porém nunca tivemos a oportunidade de ver in loco o que acontece, então, hoje, com essa força-tarefa viemos constatar o que realmente existe aqui. Por vezes, tentamos essa visita por meio de ofícios, mas nunca obtivemos uma resposta positiva. O que nos chega é a denúncia de abandono do local e mau cheiro”, comentou Ivan Espinoza Coelho, presidente do Conselho Municipal de Saúde.

Fotos: Anderson Gallo/Diário Corumbaense

Equipe do município vistoriou prédio para levantar atual quadro do IML

As condições de trabalho dos profissionais que atuam no Instituto também foram incluídas na vistoria. Mariluce Leão, coordenadora do Cerest, explicou ao Diário Corumbaense que a saúde do trabalhador também é elemento primordial. “Se há reclamações dos moradores, pensamos que quem age diretamente aqui também pode estar sofrendo com a situação”, disse.

Apontada como a responsável pelo mau cheiro que incomoda os moradores da redondeza, a câmara fria, que tem capacidade para manter 4 a 5 corpos, deveria funcionar ininterruptamente, porém está com problemas e, dessa forma, a conservação dos corpos fica prejudicada. “O técnico fez troca de uma peça e constatou danos no motor que já está sendo autorizada verba para esse reparo”, explicou Glauce Mello, coordenadora regional de Perícias, ao afirmar que a atual demanda do município requer uma nova estrutura. “A gente tem projetos de ampliação que incluem também trazer melhorias para essa estrutura que, hoje, não comporta a demanda da nossa cidade, inclusive aproveitamos a oportunidade para pedir apoio às autoridades para fazer esse projeto caminhar de forma positiva”, frisou.

A realidade presenciada pela equipe dos órgãos municipais, segundo o diretor-chefe do IML em Corumbá, Walter Breno Salazar, já foi verificada semana passada por uma equipe da Governadoria do Estado. “Eles constataram a necessidade de um IML novo, juntamente com esse projeto há outro de se fazer um Complexo de Perícias Forenses. Eles viram essa necessidade de um IML digno para Corumbá e que aqui há uma área ampla onde pode ser construído esse Complexo, porém essa área ainda está em tratativa pois, hoje, pertence à União, então vamos levar adiante nosso projeto para Corumbá”, comentou.

Diretor-chefe do IML, Walter Breno Salazar, diz que município precisa de nova estrutura para os serviços

De acordo com Salazar, esse Complexo englobará serviços que, hoje, acontecem de forma precária. “Nesse Complexo serão trabalhadas as áreas de identificação, papiloscopia, documentoscopia e laboratório. Não temos uma estrutura física, para isso contamos com apoio da Polícia Civil que nos liberou um espaço, então trabalhamos de forma 'capenga' nesse sentido, mas contamos com os interesses de nossos coordenadores, pois o projeto já está na Sejusp”, informou o médico legista.

Em nota, a Assessoria de Imprensa da Sejusp explicou que já trabalha para o reparo da câmara fria e melhorias na estrutura encontrada atualmente em Corumbá. Leia a íntegra da nota:

Nota à Imprensa

A Secretaria de Justiça e Segurança Pública (Sejusp), por meio da Coordenadoria Geral de Perícias informa que a Câmara Fria do Instituto Médico Legal começou a apresentar defeito nesta segunda-feira. As medidas para realização dos reparos já estão sendo adotadas.

Quanto ao corpo que se encontra no local em estado de putrefação, o Instituto Médico Legal solicitou ao Poder Judiciário autorização para que seja feita a inumação. É importante destacar, que todos os materiais para uma futura identificação foram coletados.

A Coordenadoria Geral de Perícias destacou ainda que técnicos da Sejusp e da Agência Estadual de Gestão de Empreendimentos (Agesul) estiveram em Corumbá na última semana e realizaram levantamentos para que seja promovida a reforma e adequação do prédio, com objetivo de melhor atender a população.  

Ações e Compartilhamento
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE