Menu

Fale Conosco Expediente

Corumbá, MS
19 de Outubro de 2017
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
 

Forte Coimbra celebra os milagres da santa padroeira Nossa Senhora do Carmo

Silvio Andrade, do site Lugares.eco.br em 12 de Julho de 2017

Fotos: Divulgação

Procissão percorre as áreas civil e militar do Forte e termina na rio Paraguai

Militares e civis celebram neste fim de semana, no bicentenário Forte Coimbra, em Corumbá, momentos marcantes da nossa história de lutas, crenças e mitos registrados durante a ocupação da fronteira do extremo oeste e a fixação dos limites do Brasil com o Paraguai. À uma imagem de Nossa Senhora do Carmo, referenciada com honras militares na capela da fortificação, credita-se milagres que livraram tropas brasileiras de verdadeiros massacres.

Por mais de um século, a celebração de 16 de julho, dia da padroeira do forte, cultua a fé e mantém viva relatos que comprovam manifestações da santa em dois episódios decisivos para a garantia da soberania brasileira naqueles confins. A festa tradicional tornou-se um produto turístico, que atrai pessoas de vários lugares do Estado, onde se cumpre promessas e graças recebidas, manifestadas nas oferendas e lembranças deixadas no manto da santa.

O Forte Coimbra foi construído em 1775, às margens do Rio Paraguai, e tombado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) 200 anos depois. Situa-se entre morros, pouco acima onde existe o marco da tríplice fronteira – Brasil, Paraguai e Bolívia – entre os pantanais de Corumbá e Porto Murtinho. Sua construção, numa época de total fragilidade dos limites de Portugal com a Espanha, gerou polêmica, ao ser erguido em local errado. O ponto escolhido era o Fecho dos Morros, já próximo de Murtinho.

Guarda real

Credita-se a Nossa Senhora do Carmo milagres ocorridos durante as batalhas contra espanhóis e paraguaios, em 1801 e 1864, respectivamente. Na primeira batalha, a santa teria livrou a guarnição militar do forte, que contava com 110 homens, cinco canoas e três canhões, de um massacre no dia 17 de setembro de 1801, quando um exército espanhol formado por 600 homens, navios e 30 canhões, tinha ordem de ocupar o lugar na disputa pelo território com Portugal.

Após nove dias de batalha, os espanhóis venceram, mas, bateram em retirada ao verem a imagem da santa na entrada do forte.  A segunda manifestação ocorreu durante a Guerra do Paraguai. No dia 28 de dezembro de 1864, a tropa paraguaia com 3,2 mil homens, 41 canhões, 11 navios e farta munição cercou o forte. Os brasileiros, com 149 homens, resistiram até o segundo dia, quando um soldado exibiu a imagem da santa na muralha do forte e os inimigos suspenderam o fogo, permitindo a fuga dos sobreviventes.

Hoje, uma imagem em concreto da santa se destaca na mesma muralha, de frente para quem sobe o Rio Paraguai, vindo dos países “inimigos”. Na capela erguida na comunidade civil que habita o forte, a imagem cultuada é a mesma trazida em 1798 pelo construtor e comandante do monumento, Ricardo Franco. Neste dia 16, ela será carregada por uma guarda real com vestimentas de gala da época do Império, em procissão que segue da capela para a vila militar e termina no Rio Paraguai.

Forte Coimbra, construído em local errado: palco do episódio onde a guarda portuguesa foi atraída e massacrada pelos índios guaicurus

Lugar Isolado

Muitas são as graças atribuídas à Nossa Senhora do Carmo, a quem também se atribui poderes milagrosos nas águas do interior da gruta Ricardo Franco, a terceira maior do Estado, onde uma estalagmite é observada como semelhança a figura da santa. Apesar de a ciência considerar as águas cristalinas, contaminadas pelas fezes dos morcegos que nela habitam, a população crê que residam poderes milagrosos no líquido. A visita à gruta, distante 8 km da fortificação, faz parte do ritual.

De acordo com o pesquisador Raul Silveira de Mello, o primitivo Forte Coimbra foi oficialmente fundado em 13 de setembro de 1775, embora a decisão de estabelecê-lo tenha sido tomada muito antes, no contexto da assinatura e das demarcações decorrentes do Tratado de Madri (1750). O acesso, a partir de Corumbá, é possível de barco ou avião. Projeta-se uma estrada rompendo os alagados pantaneiros. Até início dos anos 2000, não havia energia elétrica e o sinal de internet chegou nesta década.

O local histórico rodeado pela natureza é um daqueles pedaços de chão onde o tempo parece andar mais devagar, onde as pessoas se conhecem por apelidos e através de toda a linhagem de ascendentes, onde as ruas de areia levam a poucos comércios, pousadas e opções de lazer. Os civis, descendentes daqueles heróis da Guerra do Paraguai, vivem da pesca e já passaram por leis rigorosas do comando militar local, que chegou a decretar toque de recolher. Hoje, impera a harmonia.

Viajar pela história

A festa da padroeira, que começa na véspera, é organizada pelo Exército e prefeitura de Corumbá, e conta com uma intensa programação, reunindo shows, dança, missa, procissões terrestre e fluvial, baile e um grande churrasco de buraco, onde os fazendeiros da região doam os bois. Participarão autoridades militares e civis, dentre elas o prefeito da cidade, Ruiter Cunha de Oliveira. O Navio Lerverger, da Marinha, levará este ano 90 convidados civis de Corumbá.

Na capela, as pessoas, a maioria militares, deixam objetos e lembranças ofertados à santa, por graças alcançadas, tais como peças de fardamento militar do Exército, da Marinha, da Polícia Militar, inclusive por oficiais generais que vão pagar promessas ou fazer doações. A santa recebe muitas ofertas, principalmente joias. A coroa que usa é de ouro, também fruto de doação. O cabelo é real, havido de uma jovem muito doente de Coimbra que obteve uma graça e se curou por milagre de Carmo.

Visitar a magnitude arquitetônica do Forte Coimbra, aberto pelo Comando Militar do Oeste (CMO) mediante agendamento, é viajar pela história do Brasil. Da ponte sobre o Rio Paraguai, na BR-262, são mais de 100 km fluviais. Além das pousadas na área civil, funciona o hotel de trânsito na área militar. Na fortificação, também há um monumento que guarda os restos mortais do coronel Ricardo Franco, e o centro bélico, no alto do morro, com canhões intactos apontados para o rio.

Ações e Compartilhamento
Entre em contato com o autor
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE