Menu

Fale Conosco Expediente

Corumbá, MS
19 de Novembro de 2017
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
 

Corumbá: professores e sindicalistas fazem ato público de apoio ao dia de greve nacional

em 30 de Junho de 2017

Fotos:Anderson Gallo/Diário Corumbaense

Profissionais da educação de Corumbá e Ladário durante mobilização esta tarde

Grupo de trabalhadores da Educação Municipal e Estadual de Corumbá e Ladário realizou mobilização pública na tarde desta sexta-feira (30) em adesão ao dia nacional de greve contra as reformas trabalhista e previdenciária convocada pelas centrais sindicais. A ação também foi em defesa da lei do piso salarial dos professores; reajuste salarial; incorporação do abono dos administrativos em educação e  contra a terceirização e a privatização do ensino no país.

“Continuamos com a mesma intenção, que é através de nossas paralisações, atos públicos de caminhada, de protestos, demonstrar à classe política que não estamos satisfeitos com o que está acontecendo. Por exemplo, essa reforma trabalhista que tira nossos direitos. Desde a PEC 55 a 287, que interferem na reforma trabalhista, na terceirização, elas não nos ajudam e tiram nossos direitos. Hoje queremos também reivindicar o reajuste de salário perante ao Estado de Mato Grosso do Sul. Nossa intenção é paralisar uma vez ao mês para mostrarmos nossa indignação e lutarmos por nossos direitos” , afirmou ao Diário Corumbaense Rosa Maria da Silva, vice-presidente regional da Fetems (Federação dos Trabalhadores em Educação de MS) de Corumbá e Ladário.

Representante da FETMS, Rosa Maria, afirmou que há possibilidade de uma paralisação por mês até o final de 2017

 

O professor Pedro Medina foi um dos profissionais que deixaram as salas de aula para protestar. “Trabalho na rede pública estadual e já que estamos em um momento de grande dificuldade, hoje temos 14 milhões de desempregados em nosso território nacional e essa instabilidade política, essa corrupção deve ser combatida. Toda essa desestrutura nos causa muita preocupação às futuras gerações, logo, temos sim que ir para as ruas protestar, lutar, dizer que não concordamos, e que não aceitamos que retirem nossos direitos. Nossa única saída no momento é ir para as ruas protestar e votar certo nas próximas eleições”, afirmou.

A manifestação em Corumbá teve início por volta das 15 horas,  com concentração em frente ao clube Riachuelo. Representantes de outras categorias também participaram. 

Ações e Compartilhamento
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE