Menu

Fale Conosco Expediente

Corumbá, MS
20 de Outubro de 2017
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
 

Polícia Federal de Corumbá cumpre mandados em operação contra o tráfico de drogas

Rosana Nunes em 17 de Maio de 2017

Divulgação/PF

Cocaína apreendida no decorrer das investigações

A Polícia Federal de Corumbá deflagrou nesta quarta-feira (17) a Operação Rota de Fuga, que apura o tráfico de drogas promovido por um grupo criminoso que transporta cocaína desde a Bolívia até Campo Grande/MS, passando pela cidade fronteiriça, distante 420 km da capital. Cerca de 20 policiais cumpriram dois mandados de busca e apreensão; um mandado de condução coercitiva  e três mandados de prisão em Corumbá e em Campo Grande. Durante a investigação, já houve três prisões de pessoas que seriam líderes do grupo. A operação apura os crimes de tráfico transnacional de drogas e associação para o tráfico, e prevê ainda o sequestro de aproximadamente R$ 400 mil em bens e valores da organização criminosa.

Em um dos mandados de busca cumpridos na Capital, a PF apreendeu a quantia de R$ 15 mil; 1,6 mil dólares e 2 veículos. A pessoa conduzida coercitivamente é esposa do líder da quadrilha. Após prestar depoimento na PF de Corumbá, ela foi liberada. Em relação aos mandados de prisão, os três já estavam presos e, além do tráfico de drogas, agora foram indiciados por associação ao tráfico. 

Segundo a assessoria de comunicação da PF, os quatro meses de investigações indicam que droga era trazida da Bolívia e armazenada em um sítio próximo à fronteira, em Corumbá. Em seguida, o entorpecente era transportado, passando por rotas alternativas, como a Estrada Parque Pantanal e a Estrada do Carandazal, até Campo Grande, onde era distribuída ou enviada para outros estados. O trânsito por estradas vicinais é um meio comum utilizado por criminosos para evitar pontos de fiscalização policial. Daí o significado do nome da operação. 

Divulgação/PF

Caminhonete apreendida na BR-262 transportava cocaína para grupo criminoso

Durante as investigações, em 03 de abril deste ano, num trabalho conjunto entre a Polícia Federal e a Polícia Rodoviária Federal, duas caminhonetes que trafegavam na BR-262, rodovia que liga as cidades de Corumbá e Campo Grande, foram interceptadas. O condutor de um dos veículos chegou a fugir, quase atropelando um dos policiais que estavam na rodovia, e se acidentou após percorrer 10 km a partir do ponto onde foi dada a ordem de parada. O motorista da outra caminhonete envolvida tinha a função de “batedor”, alertando sobre a eventual existência de pontos de fiscalização na rodovia.

Nesta ação, foram aprendidos 78 quilos de cocaína em um dos veículos. A carga foi lançada às margens da rodovia durante a perseguição. A ocorrência resultou na prisão de três pessoas, incluindo o “batedor”.

Alto padrão de vida

A PF informou que durante as investigações, observou-se que o possível líder da organização apresentava padrão de vida elevado, embora não possuísse vínculo empregatício formal ou renda lícita que justificasse a riqueza ostentada, que incluía veículos de luxo e imóveis, além de um sítio em nome de um possível laranja, na região de fronteira, local utilizado como área de transbordo e armazenamento da droga, servindo ainda para sediar reuniões do grupo criminoso. A Polícia Federal não informou os nomes dos presos na operação. 

Apreensão e prisão em Assis

A operação da PF em Corumbá e Campo Grande ocorreu uma semana depois de uma apreensão de 32 quilos de cocaína em Assis/São Paulo. Dois homens de 28 e 42 anos foram presos na noite de terça-feira (09) em uma caminhonete com placas de Corumbá.

De acordo com o G1/SP, o veículo foi parado em uma fiscalização da Polícia Rodoviária. Ao vistoriar o interior da caminhonete, os policiais encontraram três pacotes da droga escondidos na parte traseira do banco do passageiro. Dentro do estepe foram encontrados mais 27 tabletes, também de cocaína, totalizando 32 quilos. Motorista e passageiro disseram que entregariam a droga na capital paulista a uma "pessoa desconhecida". 

A PF informou que esta apreensão, a princípio, não tem relação com a operação Rota de Fuga. 

Ações e Compartilhamento
Entre em contato com o autor
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE