Menu

Fale Conosco Expediente

Corumbá, MS
28 de Junho de 2017
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
 

Camisa autografada por jogadores do Corumbaense vai ajudar criança que nasceu com síndrome rara

Ricardo Albertoni em 16 de Maio de 2017

Fotos: Anderson Gallo/Diário Corumbaense

Na sexta-feira (12), Kakalo cumpriu a promessa e foi entregar o uniforme ao amigo Odiney da Silva Paixão e Larissa Aparecida Delmão, pais de Samuel

Antes de gravar seu nome na história do Corumbaense Futebol Clube e se eternizar na memória do torcedor do Carijó da Avenida como um dos atletas do elenco vitorioso que conquistou o segundo título do time pantaneiro na competição mais importante de Mato Grosso do Sul, o atacante João Carlos Garcia de Carvalho, conhecido como Kakalo, fez uma promessa a um amigo.

O compromisso firmado antes da final do Campeonato Estadual, que aconteceu no dia 07 de maio, era a doação de uma camisa autografada pelos jogadores campeões pelo Carijó da Avenida para ajudar um pequeno guerreiro, o bebê Samuel Delmão Paixão, de 11 meses. Ele nasceu com uma doença rara, conhecida como síndrome de Prune-Belly, ou ainda, síndrome do abdômen de ameixa seca, por causa do aspecto enrugado, característico da parede abdominal dos recém-nascidos.

A malformação congênita envolve ausência ou deficiência da musculatura abdominal; o não desenvolvimento testicular; expansão anormal da bexiga em associação com problemas no trato urinário superior. Na sexta-feira (12), Kakalo cumpriu a promessa e foi pessoalmente à residência,  no bairro Generoso, entregar o uniforme ao amigo Odiney da Silva Paixão e Larissa Aparecida Delmão, pais de Samuel. A lembrança, de grande valor histórico, será rifada e o valor arrecadado, revertido para ajudar nos cuidados necessários com a saúde da criança.

“Tenho uma amizade com o pai dele, conheço há muito tempo e vejo a dificuldade que ele passa em relação a dinheiro, cuidados com o filho. Eu falei com os jogadores e eles assinaram a camisa. A nossa vontade era entregar pessoalmente, mas com essa correria, já que muitos tiveram que viajar, infelizmente não deu para fazer isso”, disse Kakalo. 

Estima-se que a síndrome afete 1 a cada 35 mil a 50 mil indivíduos nascidos vivos, sendo que a maciça parte dos casos (95%) ocorre no sexo masculino. De acordo com Odiney, já no terceiro mês de gestação, ele e a esposa Larissa, foram informados que a gravidez exigia cuidados especiais.

O nascimento, embora estivesse marcado para acontecer em 14 de junho do ano passado, em Campo Grande, já que o bebê necessitava de cuidados especiais oferecidos na Capital, acabou acontecendo em Corumbá, dois dias antes do previsto. Somente após o nascimento, o casal soube o que realmente Samuel tinha. A partir daí, a vida dos deles, que já têm outros 2 filhos, foi reprogramada.

 “Depois do nascimento descobrimos que na verdade se tratava de uma síndrome muito rara. Ela causa insuficiência renal, perda de um rim, e o outro acaba funcionando com apenas 50% do que deveria. Os órgãos não são no mesmo lugar. Ele não tem a musculatura da barriga que é flácida, fora a alergia que ele tem. Não pode beber ou comer nada diferente. Além de mamar, ele está tomando um leite específico, chamado Aptamil. É um bebê que necessita de muitos cuidados” explicou Odiney ao Diário Corumbaense.

Além das deficiências acarretadas pela doença, Samuel tem alergia a lactose, não pode comer ou beber nada que não seja indicado pela nutricionista. Somente o leite, específico custa cerca de R$ 74 a lata. São consumidas aproximadamente duas latas por mês. Algumas vezes, Odiney conta com a ajuda dos colegas de trabalho, mas quando o auxílio não vem, o dinheiro do salário e dos trabalhos que faz por fora são a única salvação.

De acordo com Odiney, os custos entre alimentação e medicação para Samuel chegam a cerca de R$ 540 por mês, mais de 40% do salário do pai de família, que é funcionário da Santa Casa de Corumbá no período noturno e complementa renda com trabalhos que realiza no período de folga como pintor e pedreiro.

Pelo fato de ser uma doença rara, a cidade não oferece alguns exames e especialista para o acompanhar o caso. Frequentemente, o casal viaja para Campo Grande e dependendo da quantidade de dias na Capital, os custos ficam ainda mais elevados. O transporte até a outra cidade é oferecido pelo Município, mas alimentação, hospedagem e locomoção  são custeados por conta própria.

Por indicação do médico, é preciso evitar ao máximo que Samuel use transporte coletivo por causa do contato com outras pessoas, sendo assim, mesmo tendo parentes na Capital, a família procura hospedagens mais próximas do Hospital, para diminuir o deslocamento prejudicial a Samuel.

“Ele não pode andar de ônibus por causa do contato com as pessoas, então os custos são altos. Quando dá tudo certo, a gente acaba voltando no mesmo dia. Quando tem consulta, ficamos até 1 semana e meia por lá. A passagem, a gente conseguiu pela Prefeitura, mas quando tem um imprevisto e precisamos ir com urgência, aí temos que bancar”, explicou Odiney Paixão.

Samuel nasceu com uma doença rara, conhecida como síndrome de Prune-Belly,

Chance de ganhar camisa histórica para ajudar Samuel custa R$ 10

Sabendo da luta da família, Kakalo ofereceu o presente. A ideia inicial era leiloar a camisa, porém, a procura foi grande e pensando no melhor para Samuel, eles decidiram pela rifa. São 500 números no valor de R$ 10 cada. O sorteio será pelo primeiro prêmio da Loteria Federal, no dia 14 de junho de 2017, dois dias após Samuel completar 1 ano.

Quem acertar os três últimos dígitos sorteados levará para casa a camisa do bicampeonato autografada pelos campeões, um símbolo de vitória, conquistada após 33 anos do primeiro título estadual. Todos que ajudarem o pequeno guerreiro, mesmo que de uma maneira imediata, estarão contribuindo com o bem-estar de Samuel, oferecendo esperança e apoio para que ele continue lutando pela vida. O recurso arrecadado será utilizado para compra de medicação, faixas, leite e ainda intervenções na residência para oferecer maior conforto à criança.

“Espero que mais pessoas possam ajudar essa família. O Odiney é um rapaz trabalhador, espero que outras pessoas possam seguir esse caminho e ajudá-los de alguma forma”, concluiu Kakalo.

Para participar da rifa e concorrer a uma camisa autografada pelos campeões sul-mato-grossenses de 2017 e ainda ajudar o pequeno Samuel, pode ligar para o número (67) 9 9843-2511 ou ainda adquirir um número na sede do jornal Diário Corumbaense, localizado na rua Cabral, nº 1.283 entre as ruas Sete de Setembro e 15 de Novembro.

Ações e Compartilhamento
Comentários:

Paulo Rogério: O time do corumbaense merece todo nosso carinho e respeito pelo lindo gesto de amor com o próximo. Parabéns jogadores.Deus os abençoe...

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE