Menu

Fale Conosco Expediente

Corumbá, MS
28 de Junho de 2017
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
 

Sonho materno deu forças para Cristiane lutar em busca de gestação natural

Camila Cavalcante em 14 de Maio de 2017

Fotos: Camila Cavalcante/Diário Corumbaense

Cristiane e Paulo aproveitam todos os momentos ao lado do pequeno Lucas

Foram cerca de 5 anos lutando pela gestação natural. O instinto materno de Cristiane Sabadin, 33 anos, em nenhum momento faltou. “Foram anos de sonhos, nunca deixei de sonhar com o meu filho Lucas. Ouvi médicos dizerem que eu não engravidaria, ou muitas coisas negativas e, em momento algum, desisti desse sonho”, afirmou a mãe do pequeno Lucas Matheus, de 1 ano e 4 meses.

Cristiane é um exemplo de luta pela maternidade. Enfrentou diversos problemas de saúde: ovário policístico, problemas nas trompas, endometriose e trombofilia. “A maternidade é um sonho realizado. Ter meu filho, de forma natural, é o milagre da minha família. A gestação do Lucas foi uma grande batalha. Quando descobri que estava esperando meu tão sonhado filho, fiquei sabendo também que estava com trombofilia, que é um problema no sangue, e que o sangue não chegaria ao bebê. Para que o feto se desenvolvesse, tive que tomar injeções na barriga todos os dias. Hoje, é essa festa em minha casa, é nossa razão de viver”, contou Cristiane ao Diário Corumbaense.

Até o nascimento do Lucas, Cristiane passou por muitos desafios de espera, de angústia e de perdas. Ela perdeu o bebê de sua primeira gestação. Mas apoiando Cristiane nesta luta, esteve sempre ao seu lado, o marido, Paulo Bruno, 36 anos.

“Ouvir dos médicos que minha esposa não engravidaria e que o aconselhável era uma inseminação artificial faziam com que eu buscasse forças e a apoiasse nos tratamentos. Viajamos para Campo Grande, Belo Horizonte, investimos neste sonho e quando tive o Lucas pela primeira vez nos braços, vi que todo momento minha esposa estava certa. Eu via nela a certeza de seu sonho, a certeza de mãe e por isso a apoiava cada vez que recebíamos uma negativa médica. Ver minha família com saúde, a Cristiane e o Lucas, é a maior bênção que podíamos ter recebido”, afirmou Paulo.

Cristiane enfrentou cinco anos de muita luta até chegada do filho tão desejado

O próximo sonho de Cristiane? Ser mãe novamente. Isso mesmo. A trombofilia na segunda gravidez não a fez desistir, pois assim como ela lutou pelo Lucas, lutará para que sua família aumente. “Não sabemos ao certo daqui quanto tempo, mas, a certeza que tenho é que quero ser mãe novamente para que o Lucas possa ter um  irmãozinho, ou irmãzinha, para crescer. Confio na minha segunda gestação assim como acreditei na primeira, tenho fé que assim como eu e minha família vencemos até aqui, seguiremos nosso caminho sendo abençoados”, afirmou Cristiane.

Sonhos e luta. Assim Cristiane descreveu ver a figura materna para os filhos. “Que minha história de luta, de acreditar, de ter fé e de amar, inspire as mães, as famílias. O maior bem que temos é a família. Não é fácil concretizar um sonho, mas é possível; esperar não é algo fácil, mas é necessário. Ter meu filho saudável, minha casa cheia de brinquedos, de alegria, vê-lo desenvolvendo todos os dias é uma realização, é um ato de sonhar e de lutar a cada dia”, concluiu Cristiane.

A história: um pedido de mãe

Cristiane é tia do jovem jornalista Michel Lorãn, que faleceu em 2016, de um aneurisma, aos 25 anos. A história de Cristiane chegou até o Diário Corumbaense através da mãe de Michel, Maísa Amaral. “Olá, Camila Cavalcante, vi sua publicação procurando uma mãe para fazer uma matéria especial para a data. Tenho minha cunhada, Cristiane Sabadin, ela fez tratamento por 5 anos, fez duas cirurgias e tomou injeções durante toda a gravidez, ela tem trombofilia. O meu sobrinho está com 1 ano e três meses. O Michel estava vendo um momento para poder fazer uma entrevista com ela nesta data, pois foi uma luta muito grande. Com certeza, o Michel ficará muito feliz em saber que você fez essa matéria. Eu, como mãe e amiga do Michel, sei de alguns sonhos que ele tinha e vou fazer o possível de cumpri-los pra ele. Um dos sonhos dele, Camila, era esse,  ele queria muito dar de presente pra tia dele essa matéria quando o Lucas completasse seu 1º aninho de vida”, escreveu Maísa.

Este é o primeiro Dia das Mães de Maisa sem a presença do Michel. Todos acompanham a batalha desta mãe para superar a falta de seu filho e a  interrupção precoce de seus planos. Mesmo em um momento como esse, de dor, ela viu a possibilidade de amar o filho através da realização de outras mães, viu a possibilidade de ter o filho um pouco mais perto. Que a história da Cristiane seja um presente de Dia das Mães à Maisa Amaral. Não dá para saber que esta seja a mesma narrativa que seria contada pelo Michel, mas tentamos levar aos nossos leitores o amor e fé desta família. 

Arquivo Familiar

Maisa tem luta diária para enfrentar a falta do filho Michel

Ações e Compartilhamento
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE