Menu

Fale Conosco Expediente

Corumbá, MS
22 de Agosto de 2017
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
 

Lei que altera metragem de largura de terreno deve ser revogada

Da Redação em 04 de Maio de 2017

Divulgação/Câmara de Corumbá

Audiência foi realizada no plenário da Câmara na tarde de quarta-feira

Revogação da Lei Complementar 161 que alterou a metragem de testada mínima (largura) de terrenos na área urbana de Corumbá, foi anunciada na audiência pública realizada no final da tarde da quarta-feira, 03 de maio, na Câmara Municipal. Além disso, está decidido também que o passo seguinte será revisar o Código de Obras e, na sequência, o Plano Diretor de Corumbá.

A audiência pública, iniciativa do vereador Chicão Vianna (Solidariedade), foi realizada com o propósito de discutir os limites de metragens dos terrenos urbanos de Corumbá, e aconteceu no Plenário da Casa de Barão de Vila Maria, com a participação de representantes de segmentos envolvidos com a questão.

A proposta do vereador Chicão foi justamente promover um amplo debate em torno da alteração da Lei Complementar de 2013, que mudou a metragem mínima de testada dos imóveis urbanos, passando de 6 metros, conforme o Código de Obras, para 9,90 metros.

“Foi de extrema importância esta audiência. Contamos com a participação de pessoas envolvidas com a questão e o resultado final foi altamente satisfatório. A Prefeitura anunciou que entrará com um pedido junto à Câmara para revogar a lei que alterou a metragem mínima e, além disso, vai iniciar um amplo debate para revisar o Código de Obras e, em seguida, o Plano Diretor. Os objetivos foram alcançados”, comentou Chicão Vianna, após a audiência.

O presidente do Poder Legislativo, vereador Evander Vendramini (PP), participou da audiência juntamente com os vereadores André da Farmácia (PTB); Paulo Bertini (PSB); Bira (PSDB) e Baianinho (PSDB). Ele também se mostrou satisfeito com o resultado e lembrou que a revisão do Plano Diretor de Corumbá, foi uma solicitação de sua autoria, durante sessão em abril.

A audiência

A audiência contou com a participação de representantes de entidades ligadas ao setor. Os trabalhos foram abertos por Evander Vendramini que passou a direção ao vereador Chicão. A mesa contou ainda com a presença do secretário de Infraestrutura e Serviços Públicos, Ricardo Ametlla.

Também presentes o presidente da OAB de Corumbá, Roberto Ajala Lins; Joelson Pereira Dib, do Conselho Regional de Engenharia de Agronomia (CREA); Lauzie Xavier, do Conselho de Arquitetura e Urbanismo de Mato Grosso do Sul (CAU/MS); José Souza, do Conselho Regional dos Corretores de Imóveis do MS (CRECI); Denise Bolini, do 1º Cartório de Registro de Imóveis; Alcindo do Valle Junior, da Procuradoria Geral do Município.

José Souza, no final do debate, se disse satisfeito com o resultado. Comentou que a sua categoria não havia sido consultada quando da mudança da lei e que isso trouxe sérios transtornos, inclusive com reflexos negativos no setor da construção civil, que esfriou a partir do final de 2013.

“Em Corumbá, os terrenos têm metragens de 24,20 X 24,20 e de 19,80 X 72,60. Pessoas com menos poder aquisitivo, têm como fracionar e construir suas casas neles, realizando o sonho da moradia própria. A lei nova cortou isso, prejudicou famílias de baixa renda, e ainda esfriou o mercado imobiliário, com reflexos negativos na construção civil”, disse. “Agora não, estamos sendo ouvidos e a revogação da lei é uma vitória”, completou.

Foi o próprio secretário Ricardo Ametlla que anunciou a primeira medida que será adotada pela Prefeitura: enviar a proposta para a Câmara para que a Lei Complementar 161 seja revogada. A informação foi repassada após ouvir atentamente esclarecimentos dos representantes do CREA, CAU, 1º Cartório de Registro e da OAB.

O secretário informou ainda que, no início da atual gestão, ocorreram muitos questionamentos em torno da mudança. “Nos inteiramos dos fatos e estamos estudando uma solução. Vamos solicitar à Câmara a revogação da Lei Complementar 161, e o passo seguinte será a revisão do Código de Obras, para depois revisar o Plano Diretor”, comentou, citando que em 2010, foi feita uma revisão do Código de Obras, e isso será repetido agora. As informações são da assessoria de comunicação da Câmara de Corumbá. 

Ações e Compartilhamento
Entre em contato com o autor
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE