Menu

Fale Conosco Expediente

Corumbá, MS
30 de Abril de 2017
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
 

Nova regra do rotativo pode gerar melhores condições de pagamento de faturas atrasadas

Caline Galvão em 03 de Abril de 2017

De acordo com a Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL), a nova regra para pagamento da fatura do cartão de crédito deve facilitar condições de pagamento. Com a mudança, o consumidor só poderá permanecer no crédito rotativo até o vencimento da fatura seguinte, impossibilitando a sua renovação mês a mês de maneira indefinida. Ou seja: o limite do crédito rotativo será de apenas trinta dias. Depois disso, o valor atrasado deverá ser pago ou financiado por meio uma linha de crédito parcelada oferecida pela operadora do cartão, obrigatoriamente com condições melhores do que o parcelado. Na prática, uma dívida com taxas de juros que atualmente podem chegar a 490% ao ano é trocada por uma com taxa média de 160%.

Ainda conforme a CNDL, com a medida, o Governo Federal pretende evitar que a população fique superendividada e os juros cobrados possam ser reduzidos, ajudando na diminuição de consumidores inadimplentes com essa modalidade de crédito. Hoje, a inadimplência do cartão de crédito rotativo para pessoas físicas é de 33,2% do total de operações, enquanto do parcelado é de apenas 1,2%. A consequência disso é a facilitação do pagamento de dívidas atrasadas no cartão de crédito, pois o consumidor poderá parcelar sua pendência com taxa de juros menor. Como o valor da dívida será menor do que se estivesse no rotativo, o seu pagamento poderá ser mais fácil, evitando que ele tenha seu nome inserido nos cadastros de inadimplentes.

Apesar da nova regra, é necessário que o consumidor se programe sempre para pagara a fatura até a data de vencimento, sendo essa a melhor atitude a ser tomada. Apenas se o atraso for inevitável, ele deverá escolher opções que ofereçam melhor condições, inclusive pesquisando os juros praticados pelos diversos bancos, que podem variar. “É sempre recomendado que a dívida do cartão, ainda que parcelado, seja trocada pelo crédito pessoal consignado, por exemplo, que é em geral mais barato para o consumidor e descontada automaticamente da folha de pagamento”, recomenda a economista-chefe do SPC Brasil, Marcela Kawauti.

Ações e Compartilhamento
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE