Menu

Fale Conosco Expediente

Corumbá, MS
18 de Outubro de 2017
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
 

Sessão Solene marca celebrações dos 30 anos da PMA

Da Redação em 16 de Março de 2017

Fotos: Divulgação/Câmara de Corumbá

Sessão solene foi realizada em conjunto pelas Câmaras de Corumbá e Ladário

Policiais militares ambientais foram homenageados na noite de quarta-feira (15), pelas Câmaras de Vereadores de Corumbá e Ladário, durante sessão solene conjunta no plenário da Casa de Barão de Vila Maria. O ato integrou as celebrações dos 30 anos de criação da Polícia Militar Ambiental, celebrado em 19 de março.

“Esta sessão marcou nosso reconhecimento pela importância da Polícia Militar Ambiental. O povo de Corumbá e Ladário se sente honrado, agradecido com a presença desses policiais na nossa região”, destacou o presidente do Legislativo corumbaense, Evander Vendramini (PP), lembrando que as duas câmaras vão continuar unidas, buscando não só valorizar o trabalho desses militares, mas também lutando pelo aumento do efetivo da PMA e da Polícia Militar.

O presidente da Câmara de Ladário, Fábio Peixoto de Araújo Gomes, também citou a importância do ato e deixou evidenciado que os vereadores ladarenses e corumbaenses vão reforçar cada vez mais a parceria com “a justa homenagem à Polícia Militar Ambiental”. “Agradeço ao Evander pela parceria. Estou feliz porque tenho certeza que continuaremos juntos para resolver os problemas que os afetam”, disse, já antevendo um amplo trabalho em torno do transporte rodoviário intermunicipal, limites territoriais e uma terceira situação que afeta a população ladarense: transporte coletivo.

A sessão solene foi prestigiada pelo prefeito de Ladário, Carlos Ruso; pelo contra-almirante Luiz Octávio Barros Coutinho, comandante do 6º Distrito Naval; capitão PM Cleiton Douglas da Silva, representando o comandante do 15º Batalhão de Polícia Militar Ambiental, coronel Jefferson Vila Maior; tenente Cariolato, representando o comandante da 18ª Brigada, general João Denison Maia Correia; diretora-presidente da Fundação de Meio Ambiente, Ana Claudia Boabaid, que representou o prefeito de Corumbá, Ruiter Cunha.

No evento, o capitão Cleiton fez um relato do histórico da Polícia Militar Ambiental no Mato Grosso do Sul.

Tenente Diego, comandante da PMA em Corumbá, foi um dos homenageados

Homenageados

Os homenageados pelas duas Câmaras de Vereadores foram: tenente coronel Jefferson Vila Maior, comandante do 15º Batalhão de Polícia Militar; tenente Diego da Silva Ferreira, comandante da 2ª Companhia de Polícia Militar Ambiental, com sede em Corumbá; primeiro sargento José Alves da Silva; primeiro sargento Jony Cândido Andrade, primeiro sargento Alizardo Corrêa Tácio; terceiro sargento Maurelício da Silva Ramos; terceiro sargento Joacil Silva de Souza; terceiro sargento Benedito Modesto; terceiro sargento Yves Costa Pereira; terceiro sargento Everando Neves Barbosa; aluno para sargento Divino Emerson Moraes de Freitas, cabo José Garcia Moreno.

Além deles, os  vereadores homenagearam policiais que hoje estão na reserva: segundo tenente Gesner Batista Ramos; segundo tenente Antônio Rondon da Silva; subtenente José Borges de Medeiros; terceiro sargento Roberto Ferreira de Souza; terceiro sargento Leôncio Ribeiro Raldes; terceiro sargento Izaias Centurião Machado; terceiro sargento José Antônio Rodrigues da Silva e terceiro sargento Edson Lopes Soares. 

História da Polícia Ambiental

A Polícia Militar Ambiental de Mato Grosso do Sul foi criada em 19 de Março de 1987, como Companhia Independente de Polícia Militar Florestal (CIPMFlo). Com sede em Corumbá, iniciou suas atividades com apenas 80 policiais militares. Basicamente, o policiamento e a fiscalização destinavam-se a coibir, de forma repressiva, a caça ao jacaré, no pantanal sul-mato-grossense, crime ambiental amplamente divulgado pela mídia local, nacional e até internacional, que colocava em dúvida o poder do Estado em manter a ordem no que se referia aos crimes ambientais, pois o órgão anterior perdera a guerra para os chamados “coureiros”.

Considerou-se uma guerra, porque após a criação da Polícia Militar Florestal ocorreram muitos tiroteios durante as fiscalizações no Pantanal, quando alguns policiais perderam suas vidas ou foram feridos. Com muita determinação os policiais conseguiram extirpar a matança de jacarés no Estado, a ponto de alguns estudiosos já apontarem para a superpopulação da espécie no Pantanal. Conclusão que não é unânime entre todos que estudam a fauna da região.

Em 2000, o nome da Unidade foi mudado de Companhia Independente de Polícia Militar Florestal para Ambiental, por meio do Decreto Estadual 9773/2000, nome mais abrangente que combinava com a fiscalização que sempre fora exercida desde a criação, ou seja, todas as infrações e crimes relacionados ao meio ambiente.

A Polícia Militar Ambiental de Mato Grosso do Sul é referência para polícias de outros Estados e para a população sul-mato-grossense, que a respeita e sempre alia a fiscalização ambiental à Unidade, apesar de haver outros órgãos que exercem este tipo de fiscalização.

Devido à importância e respeito conseguidos ao longo do tempo, a PMA recebeu homenagem com o Prêmio Ecologia e Ambientalismo, da Câmara Municipal de Campo Grande, em 2007 e ainda a Assembleia Legislativa aprovou a Lei 3.408, de 01 de agosto de 2007, criando o dia 19 de março, como o dia da Polícia Militar Ambiental.

Com informações da assessoria de comunicação da Câmara de Corumbá.

Ações e Compartilhamento
Entre em contato com o autor
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE