Menu

Fale Conosco Expediente

Corumbá, MS
30 de Maio de 2017
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
 

Quatro em cada dez casais brigam por causa de dinheiro, diz pesquisa

Caline Galvão em 03 de Março de 2017

Discutir sobre finanças não é tão raro dentro de casa, principalmente em épocas onde o poder de compra está mais baixo. De acordo com pesquisa feita pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL), 39% dos casados ou em união estável brigam por causa de dinheiro. Na pesquisa, foram entrevistados 606 consumidores de todas as classes sociais em todo o País.

Em Corumbá, a secretária Raquel Fernandes, de 43 anos, discute em casa sobre finanças por sentir a necessidade de ter uma reserva de dinheiro. Ela e seu marido costumam conversar bastante sobre orçamento doméstico. “Sempre que necessita, a gente conversa porque às vezes aparecem imprevistos e é nessa hora que aparece a questão da reserva, mas ele não gosta de guardar dinheiro e a gente briga por causa disso”, contou ao Diário Corumbaense. Conforme pesquisa levantada pelo SPC e CDNL, Raquel não está sozinha com esse tipo de preocupação. Dos casais que discutem sobre dinheiro, 32% o fazem por causa da reserva financeira. 

Anderson Gallo/Diário Corumbaense

70% das famílias dos entrevistados na pesquisa têm o hábito de conversar a respeito dos gastos

Quando consideradas as decisões sobre o orçamento familiar, 70% das famílias dos entrevistados na pesquisa têm o hábito de conversar a respeito dos gastos e em 25% dos domicílios elas são divididas igualmente entre os que possuem renda, em 21% são divididas de acordo com os rendimentos de cada morador com renda. Na casa de Raquel, o pagamento das contas é dividido, mas o marido paga as mais pesadas. “Mas tem mês que a gente concilia e paga junto”, afirmou a secretária.

Quando sobra dinheiro, o casal pensa bem sobre o que pode ser feito com ele, mas não está conseguindo poupar no momento atual. “Quando a gente comprou o carro, já aconteceu de adiantar uma parcela, mas depois que terminou o pagamento do veículo, quando sobra dinheiro a gente gasta no momentâneo, não estamos poupando”, disse. Nos lares brasileiros, o principal destino do dinheiro que sobra é a utilização para o mês seguinte (24%), seguido de algum gasto pessoal (18%) e poupança pessoal (14%). Mas 20% dos entrevistados na pesquisa nacional afirmam que nunca sobra dinheiro.

A vendedora de calçados Juliane Mendes Jard, de 35 anos, também moradora de Corumbá, quase diariamente conversa sobre orçamento doméstico com seu marido, que é auxiliar de faturamento em supermercado. A maioria dos assuntos é referente aos gastos da casa, contas mensais e semanais, mas o casal não chega a brigar feio sobre dinheiro. “Já aconteceu, mas de uns tempos para cá estamos mais centrados e tentamos conversar, dialogar, brigas não”, afirmou Juliane a este Diário.

Na casa da vendedora, quando sobra dinheiro, o primeiro objetivo é tentar poupar. “Nem sempre acontece, já aconteceu de poupar, mas agora estamos mais apertados. A gente poupa mais para o final de semana, quando a gente quer sair, ir para um balneário, fazer alguma coisa desse tipo. Mas poupança a longo prazo, no momento não estamos conseguindo”, afirmou Juliane. Contas como água, luz, telefone, internet, compras do mês e aluguel ficam para o marido.

Esconder salário e gastos pessoais não é bom para o casamento, diz economista

A pesquisa concluiu também que 40% dos brasileiros casados ou em união estável não contam sobre todas as compras ao cônjuge. Entre os gastos mais omitidos estão roupas (35%, principalmente entre as mulheres, 48%), maquiagem, perfumes ou cremes (30%, com destaque entre as mulheres, 59%), calçados (28%), cigarros, bebidas e substâncias ilícitas (20%, sobretudo entre homens, 28%).

“Já fiz isso várias vezes”, confessou Raquel Fernandes. “Eu acho que comprar escondido bobagens como lingerie e sapatos, isso aí eu já fiz”, disse. A vendedora Juliane Mendes também afirmou já ter ocultado compras. “Mas, agora, tudo que compro eu comunico a ele porque chegou uma época que eu não comentava sobre as compras e na hora de pagar eu não conseguia, então isso gerava discussão. Tenho me policiado bastante porque antes eu comprava compulsivamente”, afirmou Juliane. Roupa, calçado, maquiagem e perfume estavam na lista das aquisições impulsivas da vendedora.

Segundo Marcela Kawauti, economista-chefe do SPC Brasil, esconder os gastos do parceiro não é a melhor opção, seja qual for o motivo. “Com a omissão, algum dos lados pode se sentir enganado e, se isso acontecer, o relacionamento pode ser abalado. Além disso, gastos omitidos também podem prejudicar o equilíbrio do orçamento familiar. É importante que o casal saiba de todas as despesas para manter um bom controle financeiro”, recomendou.

No casamento de Raquel, a questão salarial é bem aberta entre o casal. Os dois sabem quanto cada um ganha. Ela acredita que essa sinceridade no relacionamento é fundamental. “Eu acho isso muito bom. Eu sei que têm muitos maridos que se sentem constrangidos quando a esposa ganha mais que ele, só que eu acho que deveria ser um assunto que os casais deveriam conversar mais, ainda mais quando a gente pensa em construir algo melhor no futuro, isso precisa ser discutido sim”, opinou Raquel.

O caso de Juliane também é parecido, tanto ela quanto o marido sabem quanto cada um ganha. “Acho isso importante porque tem que ser tudo dividido pelos casais atuais porque os custos das coisas estão tão altos que não adianta a gente tentar ocultar esse tipo de informação. Isso tem que ser conversado e eu demorei um tempo para entender isso e eu sei que esse assunto dá problema, tem que conversar, fazer planilha. Como ainda sou muito ‘gastadeira’, tem que colocar tudo no orçamento porque se não vai ficar apertado e dinheiro acaba interferindo na relação. Não é legal ficar brigando por causa de dinheiro”, ponderou Juliane Mendes.

Diferente do que acontece nos lares de Raquel e Juliane, o estudo desenvolvido pelo SPC Brasil e CDNL mostrou que quatro em cada dez entrevistados casados (39%) não sabem exatamente quanto o cônjuge ganha por mês e também 39% não sabem se o parceiro possui aplicações ou investimentos. Por outro lado, 24% sabem todos os valores e 23% aplicam em conjunto. Além disso, 34% dos cônjuges dos que responderam à pesquisa não sabem ou não sabem ao certo quanto estes ganham por mês.

Ações e Compartilhamento
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE