Menu
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
 

Reinaldo pede celeridade, mas diz que reforma pode ficar para março

Campo Grande News em 23 de Fevereiro de 2017

Embora espere celeridade na aprovação da reforma administrativa e outros projetos de economia da máquina estadual, o governador de Mato Grosso do Sul, Reinado Azambuja (PSDB), disse nesta quinta-feira (23) que a votação deve ficar para março. Na quarta-feira, o secretário de Governo, Eduardo Riedel, pediu aos deputados estaduais para que eles votem o texto em regime de urgência.

Marcos Ermínio/Campo Grande News

Governador do Estado, Reinaldo Azambuja (PSDB), em agenda pública nesta quinta-feira, em Campo Grande

Quando o Executivo Estadual entregou a proposta, que promete economia de até R$ 234 milhões, o presidente da Assembleia Legislativa, deputado estadual Junior Mochi (PMDB), havia dito que a medida podia ser votada esta semana ou depois do carnaval. A expectativa do governo é aprovação o "mais rápido possível".

“Os deputados têm responsabilidade e receberam muito bem o projeto. Espero que seja aprovada em março”, afirmou o governador, lembrando que o secretário de Governo conversou com os parlamentares, tirando possíveis dúvidas. Para Reinaldo, como é uma matéria que trata da estrutura interna do governo, a demanda não vai gerar impasse ou discussão na casa de leis.

Ainda serão votadas outras duas propostas, a reforma Previdenciária e a PEC (Proposta de Emenda à Constituição) dos Gastos. A questão da Previdência também deve ficar para março, enquanto a emenda não tem prazo para votação. Mesmo assim, o governador afirmou que acredita na celeridade nas votações. “Até pela urgência em economizar gastos para poder investir em áreas importantes, como infraestrutura, Caravana da Saúde e programas sociais”, citou.

Segundo Azambuja, o Executivo Estadual “teve coragem” ao propor as medidas que “são necessárias neste momento”. “Estes projetos não são para o governo e sim para o bem da população”.

Impasse

Os deputados ainda lidam com o impasse na escolha do presidente da CCJR (Comissão de Constituição, Justiça e Redação), principal comissão e a responsável por autorizar o andamento de todos os projetos de leis.

Lídio Lopes (PEN), então presidente, e Beto Pereira (PSDB), querem assumir o comando do colegiado, até para que as votações das propostas não atrasem. “Essa é uma questão interna dos deputados, mas entendo que até semana que vem os dois blocos (dos tucanos e peemedebistas) vão conseguir resolver a equação e chegar a um consenso”.

 

Ações e Compartilhamento
Entre em contato com o autor
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE