Menu

Fale Conosco Expediente

Corumbá, MS
25 de Julho de 2017
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
 

Com apoio da bancada federal, governo de MS cobra Petrobras sobre gás boliviano

Notícias MS em 21 de Fevereiro de 2017

O Governo do Estado se posicionou de forma clara junto ao governo federal em relação ao colapso fiscal provocado pela Petrobras com a redução unilateral da importação do gás natural boliviano, com o apoio da bancada federal. O governador Reinaldo Azambuja propõe que a estatal retome o volume de bombeamento de 2016 ou indenize o Estado com o ICMS correspondente ao contrato vigente com a Bolívia, de 24 milhões de metros cúbicos.

Azambuja apresentou as alternativas para uma solução imediata e amigável com a Petrobras em reunião com o secretário executivo da Casa Civil da Presidência da República, Daniel Sigelmann, em Brasília, acompanhado dos senadores e deputados da bancada de Mato Grosso do Sul. Sigelmann representou o ministro da pasta, Eliseu Padilha, que não pode comparecer a audiência realizada na tarde desta terça-feira, 21 de fevereiro, por problemas de saúde.

Fotos: Chico Ribeiro

Encontro do governador Reinaldo Azambuja com o secretário executivo da Casa Civil

No encontro, o governador argumentou que a decisão da Petrobras não se justifica, uma vez que existe demanda para o gás boliviano. “Ou a Petrobras faz a compensação do que já paga por força do contrato vigente, mesmo com bombeamento do gás pela metade, ou senta à mesa com Mato Grosso do Sul e apresente uma negociação que nos permita ter uma previsibilidade para cumprirmos nossas obrigações futuras”, disse Reinaldo Azambuja.

Risco fiscal

A queda brusca da receita do gás, de 11,51%, em 2016, para uma projeção otimista estimada de 5%, este ano, segundo o chefe do Executivo sul-mato-grossense, foi “um duro golpe” nas finanças de Mato Grosso do Sul, apesar de todos os esforços do governo para manter o equilíbrio fiscal nos últimos dois anos. Reinaldo colocou ao representante da Casa Civil que a Petrobras gerou um risco fiscal ao Estado e que o cenário é grave em não havendo uma recomposição das perdas com o ICMS.

“A Petrobras reduziu drasticamente o bombeamento do gás boliviano, no fim do ano passado, e nos posicionou somente agora, quando caminhando para uma perda de R$ 515 milhões em ICMS. Essa política da Petrobras também precisa ser discutida com os estados e municípios e vamos cobrar uma solução no encontro com o presidente (da estatal) Pedro Parente”, acrescentou o governador, lembrando que, por contrato, a Petrobras deveria distribuir preferencialmente aos estados o gás importado e não dar prioridade ao produto nacional.

Sem mágica

Azambuja, em entrevista ao sair da reunião na Casa Civil, disse que desde 2015 seu governo buscou equações financeiras para suportar a queda do preço do gás, citando, como medidas, os ajustes tributários do IPVA, ITCD e ICMS de bebidas e supérfluos, que considerou “amargos” para a população, para garantir o equilíbrio fiscal e cumprir as entregas. “Agora – completou -, o que vamos perder com o ICMS do gás em 2017 não se recupera com um toque de mágica”.

Apoio político: bancada federal e o presidente da Assembleia Legislativa presentes na reunião de Reinaldo na Casa Civil

Para o senador Valdemir Moka, que coordena a bancada federal de MS, a pressão política de Mato Grosso do Sul junto ao governo federal e Petrobras é pertinente, considerando os impactos nas finanças do Estado pelas medidas adotadas pela estatal em relação ao gás boliviano. “Não podemos aceitar o que está acontecendo com a receita de Mato Grosso do Sul pelo fato de a Petrobras pagar à Bolívia por 24 milhões de metros cúbicos de gás e bombear a metade”, questionou o parlamentar.

Moka acredita que o governador Reinaldo Azambuja conseguirá contornar esta situação criada pelo estatal na reunião do próximo dia 10 de março com o presidente Pedro Parente. “O governador foi muito feliz ao expor o grave cenário fiscal criado pela Petrobras e tenho a melhor das expectativas de que o Estado será recompensado, até porque o presidente Michel Temer recomendou a audiência com o presidente da Petrobras e quer uma solução”, completou.

Participaram da reunião na Casa Civil os senadores Valdemir Moka, Simone Tebet e Pedro Chaves, os deputados federais Dagoberto Nogueira e Geraldo Resende e o presidente da Assembleia Legislativa, Junior Mochi. Também presentes os secretários estaduais Márcio Monteiro (Fazenda) e Jaime Verruck (Meio Ambiente e Desenvolvimento Econômico).

Ações e Compartilhamento
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE