Menu

Fale Conosco Expediente

Corumbá, MS
18 de Novembro de 2017
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
 

Exército "encolhe" presença na fronteira do tráfico em MS

Campo Grande News em 07 de Fevereiro de 2017

Eliel de Oliveira/CG News

Exército faz barreira em Antônio João durante conflito fundiário

Oferecido pelo governo federal para atuar até em presídios, o Exército encolheu sua presença física na fronteira de Mato Grosso do Sul. Coincidentemente, rota do tráfico internacional de drogas e armas, principais fontes de energia das facções criminosas que protagonizaram massacres com mais de 100 mortes no sistema penitenciário. A sinuosa fronteira com Paraguai e Bolívia tem 1.517 quilômetros de extensão.

Desde 2014, destacamentos foram desativados em Paranhos, Coronel Sapucaia e Sete Quedas. Com 13.674 habitantes, Paranhos faz fronteira seca com o Paraguai e tem projeção nas notícias policiais, como em 2015, quando cinco pessoas foram mortas numa chacina, que contabilizou 100 tiros de fuzil.

A cidade também é habituada ao toque de recolher. Em 2016, homens armados circularam pela cidade alertando que o comércio deveria ser fechado à noite. A medida antecedeu a execução de um policial civil, morto na academia.

“O Exército é bem vindo em qualquer situação, principalmente na região de fronteira. É um órgão muito respeitado pelo que representa para a nação. A credibilidade é muito maior. E ficou um pouco descoberta a área de fronteira”, afirma o prefeito de Paranhos, Dirceu Bettoni (PSDB).

Ele destaca que, em geral, os municípios menores têm baixo número de efetivo policial, enquanto que em apenas uma barreira, o Exército disponibiliza 35 homens. “Não estou dizendo que está jogado às traças, mas a presença do Exército cairia muito bem”, diz o prefeito. Paranhos faz fronteira seca com Ypejú. A expectativa é de que a visita feita pelo prefeito em janeiro ao comando do 17º Regimento de Cavalaria Mecanizada, em Amambai, resulte em mais barreiras no município.

Localizada a 471 quilômetros de Campo Grande, com 10.811 habitantes e na fronteira com Corpus Christi (Paraguai), a cidade de Sete Quedas organizou um Conselho de Segurança na luta contra a violência.

A principal dor de cabeça para os moradores eram os roubos. Segundo o prefeito Francisco Piroli (PSDB), o conselho atua há oito anos e é formado por voluntários como comerciantes, advogados, juiz, promotor. Uma das medidas foi a troca do policiamento dos dois lados da fronteira.

“Todo mundo se envolve, resolveu 90% porque alguma coisa sempre tem. Mas graça a Deus, praticamente, estamos vivendo no céu. Os policiais são muito bons, de primeira qualidade, pessoas que conhecem a fronteira há muito tempo”, afirma o prefeito. Atualmente, também, o município conta com apenas uma viatura.

Na outra ponta da fronteira, na Bolívia, o Exército ensaiou redução em Corumbá. Em junho de 2016 foi anunciada a desativação da 18ª Brigada de Infantaria de Fronteira Ricardo Franco, construída na década de 1940.  Mas o local prosseguiu aberto.

Guerra particular

Nas cidades fronteiriças, impera uma lógica de que a violência é uma questão particular entre os grupos que disputam o controle do crime; “Em relação à chacina, foi entre grupos rivais. Sempre tem atrito entre eles”, diz o prefeito de Paranhos.

“São vários homicídios na fronteira, mas nem sabe de onde é. É entre eles mesmos. Veio e matou dois. Depois, mata dois dos outros. Na fronteira, você não pode deitar e dormir, tem que ficar de olho”, afirma o prefeito de Sete Quedas, sobre a necessidade de manter um providencial estado de alerta.

Vizinha a Capitan Bado, grande produtor de maconha, Coronel Sapucaia também é terra de fronteira e marca presença no Mapa da Violência. Em 2014, o município apareceu no ranking dos 100 municípios mais violentos do Brasil.

Da fronteira com Ponta Porã e Pedro Juan Caballero, veio um dos assassinatos que impressionou pelo aparato utilizado para matar o traficante e empresário Jorge Rafaat Toumani. Foi utilizado armamento antiaéreo no crime ocorrido em junho de 2016.

Alcides Neto/CG News

Procurador Helton Fonseca lembra que fronteira, historicamente, fica sem investimentos

Historicamente

“A questão da fronteira é que historicamente nunca houve investimento na área. Estamos vendo como está o sistema penitenciário no Brasil justamente pela ausência dos investimentos. Os nossos policiais, em especial o DOF [Departamento Especial de Operações de Fronteira], praticamente estão trabalhando para a União. Porque desenvolve uma função inerentemente federal, que é o combate ao tráfico internacional de drogas”, afirma o procurador de Justiça, Helton Fonseca Bernardes, que também foi secretário-adjunto da Sejusp (Secretaria de Justiça e Segurança Pública.

Membro do MPE (Ministério Público Estadual), ele lembra a vocação do Estado para ser passagem do tráfico internacional, realidade que drena a atenção da atividade policial. “As drogas vêm do Paraguai e Mato Grosso do Sul é caminho, é uma estrada. A maioria da apreensão que nós temos de substâncias entorpecentes estava indo para fora. O que acontece? Ao concentrar essas atividades policiais para o combate a esse tipo de crime, as cidades acabam ficando desguarnecidas. E a facilidade do cidadão entrar e sair do País, um controle federal, não é desenvolvido a contento”, afirma o procurador.

No ano passado, o Estado manteve a dianteira na apreensão de drogas. De acordo com a Policia Federal, foram 87,3 toneladas de maconha, o que deu a Mato Grosso do Sul a liderança nacional. Já a cocaína totalizou 4,5 toneladas. Em 2016, a PRF (Polícia Rodoviária Federal) apreendeu 116 toneladas de maconha e 2,9 toneladas de cocaína nas vias federais que cortam o Estado.

Em junho de 2016, um quilo de cocaína valia R$ 20 mil em Campo Grande. Em São Paulo, a cotação do pó era de R$ 27 mil o quilo. Na Ásia, a mesma quantidade pode custar cem mil dólares.

Atrasado

Lançado em 2012, o Sisfron (Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteira) deveria ser implantado nos 17 mil km de fronteiras brasileiras até 2021, mas esse prazo dificilmente será cumprido. O programa, com orçamento total de R$ 12 bilhões, enfrenta contingenciamento de recursos.

Após quase dois anos de fase de testes e instalação de radares, torres de comunicação, cabos de fibra ótica e sensores de movimento, o projeto-piloto do Sisfron foi ativado em 2014 em Dourados. A reportagem solicitou informações à assessoria de imprensa do CMO (Comando Militar do Oeste) sobre o Sisfron. 

Ações e Compartilhamento
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE