Menu

Fale Conosco Expediente

Corumbá, MS
28 de Maio de 2017
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
 

Cruzeiros fluviais são opção de turismo no Pantanal

Da Redação em 05 de Janeiro de 2017

Os cruzeiros fluviais são a nova vitrine do turismo no pantanal. Corumbá (MS) e Cáceres (MT) estão entre os principais destinos de aventura e pesca esportiva. A cidade de Corumbá, fronteira com a Bolívia, é o ponto de partida de muitos hotéis flutuantes e cruzeiros fluviais que percorrem o Pantanal. Para quem não dispensa a hospedagem em terra firme, é possível pegar uma das tradicionais chalanas que deixam o porto geral de Corumbá pelo rio Paraguai e retornar no mesmo dia. A diversidade de opções atrai, anualmente, mais de 200 mil visitantes ao Pantanal sul-mato-grossense, sendo que um quarto desses turistas são estrangeiros em busca de ecoturismo e aventura na maior região alagada do planeta.

Divulgação

Roteiros têm duração média de quatro a cinco dias de navegação e atividades em terra

De acordo com a Demanda Internacional de 2015, do Ministério do Turismo, dos 6,3 milhões de estrangeiros que vieram ao Brasil no último ano, 51,3% vieram a lazer e destes, 15,7% tiveram como motivação a natureza, o ecoturismo ou aventura, número maior que o registrado em 2014, quando o índice foi de 12,8%.

“Esse é um segmento importante para o turismo nacional e o objetivo do Ministério do Turismo é fortalecer esses destinos tanto com infraestrutura como com divulgação para que cada vez mais brasileiros e estrangeiros possam conhecer e desfrutar das belezas brasileiras”, afirmou o ministro do Turismo, Marx Beltrão.

Assim como Foz do Iguaçu (PR), na tríplice fronteira  – Brasil, Argentina e Paraguai -, Corumbá se destaca como nova fronteira do turismo brasileiro e porta de entrada da América do Sul para a região. Além dos estados de Mato Grosso do Sul e Mato Grosso, o Pantanal banha parte da Bolívia e Paraguai. Além da pesca esportiva, já consolidada na região, a temporada de cruzeiros fluviais na região possibilita aos turistas vivenciarem a cultura pantaneira.

Os roteiros têm duração média de quatro a cinco dias de navegação e atividades em terra que permitem observar a diversidade da vida silvestre entre as belezas da maior planície alagada do mundo. As atividades de lazer ao ar livre e a integração com a natureza e a culinária típica pantaneira também fazem parte do destino Corumbá. São safaris terrestres, excursões em embarcações menores, cavalgadas, trilhas e banhos no rio Paraguai e afluentes, além de focagem de animais como jacarés, capivaras, tamanduás, lobos, tatus e onças.

O casario histórico na zona portuária de Corumbá, fortalezas e igrejas também encantam os visitantes. Os museus História do Pantanal e do Homem Pantaneiro então entre as opções culturais para o turista interagir com a história e o bioma local. A gastronomia e o artesanato reforçam a cultura regional.

O Mirante Cristo Rei do Pantanal oferece visão panorâmica de Corumbá, Ladário e das cidades vizinhas de Quijarro e Puerto Suarez, ambas numa área de livre comércio da Bolívia. Ainda por terra, a Estrada Parque Pantanal, com 120 Km de extensão, tem dezenas de pontes de madeira sob as quais atravessam os animais silvestres e que servem de mirantes para a observação da natureza.

Reconhecimento

Para quem chega ao Pantanal pelo Mato Grosso, Cárceres (MT), a cidade também oferece serviços de ecoturismo, aventura e pesca esportiva para turistas brasileiros e estrangeiros. Tanto que o local foi escolhido para sediar o Festival Internacional de Pesca Esportiva, o maior do mundo em águas fluviais. Tanto Corumbá quanto Cárceres reforçam a importância do fortalecimento de roteiros integrados para a região de fronteira.

O Pantanal é reconhecido pela UNESCO como Patrimônio Natural da Humanidade. Existem dois períodos distintos nessa reserva da biosfera. As chuvas, de novembro a fevereiro, são responsáveis pela cheia, quando os rios transbordam formando baías e lagos com grande quantidade de plantas e aves aquáticas, peixes e mamíferos, em especial as capivaras, lontras e ariranhas. Na seca, entre julho e agosto, o Pantanal se transforma. As águas começam a abaixar formando vazantes e praias naturais nos leitos dos rios. Nos passeios é possível observar uma grande quantidade de pássaros, mamíferos e répteis. As informações são da assessoria de imprensa do Ministério do Turismo.

Ações e Compartilhamento
Entre em contato com o autor
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE