Menu
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
 

Metade dos consumidores brasileiros deve comprar presente de Natal para si mesmo

Da Redação em 23 de Dezembro de 2016

Além da lista de compras para família e amigos, o Natal é uma data comemorativa que muitos aproveitam para comprar um presente para si mesmo. Uma pesquisa do Serviço de Proteção ao Crédito e da Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas mostra que metade dos consumidores brasileiros (50,0%) irão se autopresentear esse ano, principalmente as mulheres (57,3%). Em relação ao Natal de 2015, 54,3% afirmam terem comprado presentes para si mesmo.

Reprodução

É normal querer recompensar esforço pessoal, mas não pode perder noção de gasto, diz especialista

A prática é justificada por esses entrevistados principalmente pelo sentimento de merecimento (40,8%) e a oportunidade de se presentear comprando coisas que precisam (39,1%). Na média, a intenção de compras é de dois presentes para si mesmo, com um ticket médio de R$ 157,89. Este valor representa uma redução real de quase 16% quando comparado ao ticket médio do presente do ano passado. No total, os consumidores que irão se presentear e já definiram um valor, gastarão em torno de R$ 330,00 consigo mesmos - outros 48,0% ainda não sabem quanto irão gastar. Mesmo que o valor de cada presente tenha diminuído em relação a 2016, é ainda 44% superior ao valor do presente dado a terceiros.

De acordo com o educador financeiro do SPC Brasil, José Vignoli, não há nada de errado em aproveitar o Natal para presentear-se, desde que a pessoa aja de acordo com seu padrão de vida e suas prioridades financeiras: “O auto presente não é um problema. É normal querer recompensar nosso esforço pessoal, mas o consumidor não pode perder de vista a noção dos gastos. Muitas vezes, algumas pessoas usam o Natal como pretexto para uma despesa excessiva, uma compra impulsiva ou mesmo um endividamento que, mais tarde, poderá trazer problemas financeiros”.

Entre aqueles que não pretendem comprar presentes para si mesmos (24,9%), os principais motivos são: não gostar ou falta de costume (25,5%), ter outras prioridades de compra (17,5%) e priorizar o pagamento de dívidas (11,3%).

Roupas, calçados e perfumes lideram lista de presentes

Metade dos entrevistados (49,1%) acredita que irá ganhar presentes de outras pessoas, principalmente por acreditarem que são queridos (18,4%) e porque irão participar de algum amigo secreto (13,2%). Os presentes mais desejados são roupas (46,9%), calçados (36,4%) e perfumes e cosméticos (29,7%).

A lista também coincide com os itens que serão comprados para si mesmo, mas com diferentes percentuais: roupas (54,2%) e calçados (34,5%) - ambos com queda em relação a 2015.

Ações e Compartilhamento
Entre em contato com o autor
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE