Menu

Fale Conosco Expediente

Corumbá, MS
24 de Novembro de 2017
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
 

Exposição de arte infantil está aberta ao público no Museu de História do Pantanal

em 25 de Novembro de 2016

A mostra infantil “Meu Modo de Ver” está aberta à visitação pública no Museu de História do Pantanal (Muhpan) desde a noite de quinta-feira (24), quando aconteceu sua inauguração. Cerca de 132 trabalhos de 22 crianças participam da exposição que tem inspiração em grandes artistas: a brasileira Tarsila do Amaral, o expressionista holandês Van Gogh, o fauvista Matisse, o pintor moderno Antoni Gaudí e o pantaneiro Jorapimo. A mostra é o resultado de todos os módulos aprendidos pelas crianças durante o ano no ateliê da Renata Mesquita. A exposição, que homenageia Jorapimo, fica aberta até o dia 17 de dezembro, de terça a sábado, das 13h às 18h.

Anderson Gallo/Diário Corumbaense

A exposição fica aberta ao público até 17 de dezembro

“Esse já é o terceiro ano que a gente executa essa exposição de fim de ano com o trabalho que as crianças desenvolveram durante o ano”, afirmou Renata Mesquita. “Começamos este ano com Van Gogh de quem exploramos a expressividade, a relação da cor, já que ele tinha um fanatismo pelo amarelo, então trabalhamos a monocromia com as crianças. Depois a gente veio com Henri Matisse, que é o fauvista. No módulo fauvismo trabalhamos a cor pura, a criança conhece o amarelo, azul, vermelho, são as cores primárias. A ideia do ateliê é esta, explorar uma característica do artista e a criança desenvolver o seu trabalho plástico”, explicou Renata ao Diário Corumbaense.

Como as crianças também tiveram módulo sobre pinturas rupestres, participam da exposição obras que remetem àquela época, incluindo pinturas e trabalhos em cerâmica. “No módulo da arte rupestre, a gente confeccionou a própria tela, ali foi o princípio de tudo, do registro da comunicação do ser humano. Nesse módulo também tivemos parceria com o Muphan quando as crianças foram até o segundo andar do museu onde estão disponíveis gravuras rupestres daqui de Corumbá e foi interessante porque elas confeccionaram a própria tinta a partir de pigmentos naturais, foi bastante rico para o aprendizado delas”, disse.

Renata Mesquita trabalhou cinco grandes artistas durante um ano com as crianças, trabalhou que resultou a exposição

Mas os alunos também tiveram aula de ponto, linha e plano, princípio básico da composição bidimensional da obra de arte. “Trabalhamos também o fantástico arquiteto catalão Gaudí, com ele trouxemos a bidimensionalidade do mosaico inserido na pintura”, explicou Renata. Durante todo o ano foram trabalhadas diversas técnicas artísticas como a cerâmica, o desenho e a pintura. Com Tarsila do Amaral, artista que trabalhou a antropofagia brasileira, o ateliê explorou a forma diferente de ver um desenho.

“A criança tem contato com o artista e dele não faço somente a releitura. O artista é o ponto de partida para a inspiração da criança e o foco principal é quebrar os estereótipos dos desenhos como casinhas em forma de algodão doce e fazê-los ousarem mais nas cores e composição da obra de arte”, afirmou a professora de artes.

“Durante o desenvolvimento do processo criativo das aulas, a criança descobriu diferentes técnicas artísticas de pintura, desenho e cerâmica utilizando vários suportes e materiais. Exploramos também as características dos períodos históricos dos artistas. A união de todo esse processo nos levou ao resultado final com a obra das crianças”, frisou.

Renata Mesquita

Vernissage aconteceu na noite de quinta-feira (24), quando Jorapimo, o homenageado da exposição, completaria mais um ano de vida

No dia 24 de novembro, Jorapimo completaria 79 anos de vida. Por causa disso, a vernissage da exposição aconteceu na data de seu aniversário. “Ele foi tema do nosso último módulo, escolhi este artista por suas obras terem conotação impressionista, isso de ir à praça e pintar a paisagem que ele via. Foi esse instantâneo que eu trouxe para as crianças fazerem e elas vivenciaram um pouco o que Jorapimo fazia, que era a pintura de cavalete, além disso, é um artista pantaneiro, então nós temos que prestigiá-lo”, concluiu Renata Mesquita.

Ações e Compartilhamento
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE