Menu

Fale Conosco Expediente

Corumbá, MS
24 de Junho de 2017
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
 

Lei da pesca precisa de mudanças, diz empresária

Marcelo Fernandes em 04 de Novembro de 2016

Empresária do setor de turismo em Corumbá, Joice Carla Santana Marquês, disse a este Diário que a crise econômica que afetou o Brasil teve reflexos no segmento, mas houve movimento de procura pelo destino Pantanal que foi incentivado justamente por instabilidade da economia. Ela observou que para o ano que vem as expectativas são positivas.

“É lógico que enfrentamos essa crise, mas as pessoas deixaram de ir para lugares como Argentina e Paraguai e começaram a voltar para o Pantanal. Isso fez com que o Pantanal, em todo o seu território não sentisse a decaída na vinda de turistas. Houve uma queda, mas os turistas não deixaram de vir para o Pantanal. Vamos começar 2017 tímidos. Até porque nesse final de ano [os pescadores amadores] não se preocupam com pescarias, começam a agendar mais para frente. O setor acredita num ano com boa procura, talvez ainda, não como o esperado, mas de boa procura”, afirmou a empresária.

Anderson Gallo/Diário Corumbaense

Empresária vê necessidade de Mato Grosso do Sul ter lei mais restritiva e que garanta preservação do estoque

Joice destacou que hoje  o setor vive um caminho inverso com o turista porque são eles que cobram das empresas a preservação do pescado e a prática do pesque e solte. “O pescador amador passou por várias etapas. Trinta anos atrás eram 30 quilos de cota, depois passou para 25, 15 e 10 quilos por pescador, sendo permitido levar. Hoje é o inverso, nós empresários somos cobrados o tempo todo para que tenhamos uma postura de conservação. A maioria dos pescadores amadores que vêm aqui pescar fica indignada por sermos um dos estados que permite levar peixe. Cobram que mudem a lei da pesca, que passe a não levar. Temos cobrado isso do Governo e mostrado que a onda é o pesque e solte. Tem aquele que gostaria de levar a cota, mas temos que achar uma regra mais restritiva para essa situação”, ressaltou.

Ela destacou que a proibição à pesca e captura do dourado, nos limites de Corumbá é cumprida, mas é necessária uma lei que tenha amplo alcance. “A lei é municipal e respeitamos, mas mesmo respeitando a proibição, não temos visto essa espécie. É muito rara. Com a nossa organização, obediência em não matar o dourado ajudou bastante, mas a proibição é só aqui, em Ladário pode 'matar', no Paraguai. Deveríamos ter uma regra para tudo e todos se não pode aqui, não pode. Temos que mudar, há necessidade de mudança. Mato Grosso do Sul tem que entender que a gente tem que mudar, tem que vir do Estado essa mudança dizendo que é proibido matar peixe, é pescar e soltar ou que pode levar só um exemplar. Temos que achar uma lei”, reforçou a empresária. 

Ações e Compartilhamento
Entre em contato com o autor
Comentários:

afonso pereira: Parabens Joice voce representa a mais autentica vóz da preservação do nosso pantanal, de nada adianta proibir em Corumba e os Paraguaios la em baixo fechar o rio com rede. a proibição de matança de peixe deve ser em todo o leito do rio Paraguai por pelo menos (10) anos

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE