Menu

Cidade + Seções

Fale Conosco
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
 

IPHAN embarga parte das obras da reforma na Catedral Nossa Senhora da Candelária

Caline Galvão em 19 de Outubro de 2016

O Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN) embargou na segunda-feira (17) parte das obras de reforma que estão sendo realizadas na Catedral Nossa Senhora da Candelária. Isso porque o projeto da escadaria na entrada da igreja não está inserido naquele apresentado anteriormente e aprovado pelo IPHAN. A igreja precisa regularizar a situação a fim de que as obras possam ter continuidade.

Anderson Gallo/Diário Corumbaense

Obra da escadaria foi paralisada por não estar inserida no projeto já aprovado pelo IPHAN

 “Na verdade houve a paralisação das obras da escadaria da Catedral. O motivo é que existe um projeto aprovado pelo IPHAN que faz parte do projeto PAC Cidades Históricas, mas o projeto da igreja, com relação à escadaria, não estava incluso no que foi aprovado. Dessa forma, para alterações, é preciso passar pelo IPHAN. Para regularizar a situação, a igreja precisa vir até o IPHAN, solicitar através de requerimento, que é uma documentação básica que a gente solicita, e o projeto vai passar pelo corpo de técnicos do IPHAN para analisar e ver a necessidade ou não de fazer essa alteração, isso porque no requerimento vai haver uma justificativa do por quê dessa alteração”, explicou ao Diário Corumbaense Edivânia Freitas de Jesus, chefe do escritório do IPHAN em Corumbá. Ela lembra que somente estão paralisadas as obras da escadaria, mas a reforma do teto, forro e coro prosseguem normalmente.

Para a medida, o IPHAN usou os artigos 17 e 18 do decreto-lei de 30 de novembro de 1937, tratando-se de coisas tombadas, que informa que não há possibilidade de reforma em construções protegidas por lei sem prévia autorização formal. “As coisas tombadas não poderão, em caso nenhum, ser destruídas, demolidas ou mutiladas, nem, sem prévia autorização especial do IPHAN, ser reparadas, pintadas ou restauradas, sob pena de multa de cinquenta por cento do dano causado. Sem prévia autorização do IPHAN, não se poderá, na vizinhança da coisa tombada, fazer construção que lhe impeça ou reduza a visibilidade, nem nela colocar anúncios ou cartazes, sob pena de ser mandada destruir a obra ou retirar o objeto, impondo-se neste caso multa de cinquenta por cento do valor do mesmo objeto”, informam os artigos.

O padre Fábio Vieira, pároco da Catedral, informou em entrevista anterior para este Diário que com a reforma  haverá rampa de acesso à entrada da igreja, além de jardineiras nas colunas e as janelas serão trocadas. O pároco está em viagem e afirmou que vai se inteirar melhor do assunto para poder se pronunciar sobre o embargo do IPHAN.

Ações e Compartilhamento
PUBLICIDADE
Assine o Diário

O Diário Corumbaense, o único jornal diário da região, oferece informação de qualidade e credibilidade aos seus leitores todos os dias.

Ligue: (67) 3232-4690 ou (67) 3232-4691 contato@diariocorumbaense.com.br

Assinar agora!
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE