Menu

Fale Conosco Expediente

Corumbá, MS
23 de Outubro de 2017
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
 

Sem Sigo, policiais civis estão proibidos de não registrar ocorrências

Campo Grande News em 19 de Setembro de 2016

A DGPC (Diretoria Geral da Polícia Civil) emitiu portaria proibindo que policiais se recusem a registrar boletins de ocorrência devido a problemas no Sigo (Sistema Integrado de Gestão Operacional). Desde a semana passada, ocorrências de extravio, furto e até roubo simples não estavam sendo registradas em algumas delegacias.

Segundo documento publicado no Diário Oficial do Estado desta segunda-feira (19), em caso de falhas no funcionamento ou inoperância do sistema, os boletins de ocorrência, autos de prisão em flagrante delito, autos de apreensão em flagrante de ato infracional e demais peças cartorárias deverão ser lavrados através de software editor de texto disponível nos computadores da unidade policial.

Ainda de acordo com a portaria, os boletins de ocorrência lavrados nestas circunstâncias devem ser lançados no Livro D – Livro Registro de Boletins de Ocorrências Policiais Elaborados e Recebidos, nos termos do artigo 225 do R-12 (Regulamento Das Atividades da Polícia Judiciária do Estado de Mato Grosso do Sul), mantendo-se arquivo em pasta física e no formato digital, procedendo-se a regular distribuição e demais encaminhamentos.

Consultas

Pelo documento, enquanto o Sigo não opera, as consultas de mandados de prisão deverão ser realizadas por meio da Polinter (Delegacia Especializada de Polinter e Capturas), bem como através do aplicativo Sinesp Cidadão (Sistema Nacional de Informações de Segurança Pública, Prisionais e sobre Drogas) e dos demais bancos de dados disponíveis (BNMP/CNJ, INFOSEG, SAJ-TJ/MS), podendo para tanto contar com o apoio do Departamento de Inteligência Policial.

Já as consultas relacionadas a veículos deverão ser realizadas por meio do CIOPS (Centro Integrado de Operações de Segurança) e/ou Defurv (Delegacia Especializada de Repressão a Furtos e Roubos de Veículos). As ocorrências relacionadas a furto, roubo, estelionato ou apropriação indébita de veículos automotores devem ser imediatamente comunicadas à Defurv, por e-mail.

Todas as comunicações acerca de entrada, movimentação e saída de presos, devem ser encaminhadas à Polinter, juntamente com cópia do respectivo mandado de prisão, ofício de recâmbio ou alvará de soltura, unidade que ficará responsável pela tabulação dos dados e posterior regularização junto ao Sigo.

Todo envolvido em boletim de ocorrência que se fizer presente durante o registro deverá ser checado por meio do aplicativo Sinesp Cidadão. Mesmo diante de resultado negativo de pesquisa, havendo alguma suspeita, o policial deverá consultar o nome do indivíduo através de outros sistemas de informação e órgãos.

Dois trabalhos

Conforme o documento, após o restabelecimento do funcionamento do sistema Sigo, o delegado titular de cada unidade deverá apurar a quantidade de ocorrências lavradas e/ou complementadas, por meio do programa editor de texto, e determinar o lançamento no Sigo.

De acordo com a determinação, deverá ser respeitada a mesma numeração do livro D, para não gerar duplicidade de registro ou numeração destoante.

Método arcaico

O Sinpol/MS (Sindicato dos Policiais Civis de Mato Grosso do Sul) considera o método indicado pelo Governo como arcaico e prejudicial. “Isso prejudica os depoimentos das vítimas e toda a instrução do inquérito. Também causa lentidão no andamento do processo e no tempo de resposta à população”, informa Giancarlo Miranda.

Segundo o sindicalista, a situação prejudica, principalmente, a população, que leva de duas a quatro horas para registrar boletim de ocorrência nas delegacias. Já situações como extravios e furtos simples, que antes podiam ser registradas por meio da Delegacia Virtual, agora não podem mais.

Ações e Compartilhamento
Entre em contato com o autor
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE