PUBLICIDADE

Integrantes de quadrilha mortos em confronto eram investigados há um mês

Campo Grande News em 09 de Dezembro de 2023

Mylena Fraiha

Delegado-geral durante coletiva de imprensa na manhã deste sábado

Os seis mortos em confronto com equipes da Polícia Civil na noite de sexta-feira (08), estavam sendo investigados há cerca de um mês. Um deles, identificado como Cláudio Agenor Pereira Gimenes, o Gordão, seria o líder do bando e mantinha fotos das vítimas em seu celular que foi apreendido após a ação.

Durante coletiva de imprensa na manhã deste sábado (09), o delegado-geral Roberto Gurgel explicou que a Defurv (Delegacia Especializada em Repressão a Roubo a Banco e Assaltos e Sequestros) investigava o grupo e recebeu informações de que eles cometeriam o crime com restrição de liberdade das vítimas em Anastácio e região, com isso, deram início ao monitoramento.

Conforme apurou a reportagem, um dos integrantes do bando, identificado como Nycolas Henrique Mendes dos Santos veio de Goiás para a Capital e ficou hospedado em uma pousada na região da rodoviária. Na quinta-feira (07), ele saiu do local em um Fiat Uno e foi até uma casa onde outros suspeitos entraram no carro.

De lá, o grupo seguiu até Anastácio e em um posto de combustíveis encontrou com os outros dois integrantes em uma motocicleta. O piloto do veículo seria Gordão. Em todo o trajeto os criminosos foram acompanhados pela equipe da Defurv que pediu apoio ao Garras (Delegacia Especializada em Repressão a Roubo a Banco e Assaltos e Sequestros).

Quando os criminosos acessaram a MS-170 em direção à uma propriedade rural onde cometeriam o crime, os policiais deram ordem de parada que não foi obedecida. Os quatro ocupantes do carro e os dois da motocicleta atiraram contra as equipes e acabaram baleados e mortos.

Divulgação/Polícia Civil

Armas, celulares, braçadeiras e fita adesiva apreendidos com criminosos

“Eles imediatamente reagiram a abordagem. Os policiais revidaram e eles foram atingidos. Chegaram a ser socorridos, mas acabaram morrendo. A abordagem aconteceu já na entrada da propriedade, visando proteger as vítimas. Eles vinham sendo monitorados e foram acompanhados pelas equipes até o local e abordados antes de cometerem o crime”, pontuou Gurgel. 

Segundo o delegado-geral, os veículos roubados seriam levados para a Bolívia onde possivelmente seriam trocados por cocaína. Mato Grosso do Sul é o estado escolhido pelas quadrilhas por conta não só da localização geográfica, mas também por ser uma região de agronegócio. 

“Nesse tipo de atividade econômica são usadas muitas caminhonetes que são os veículos visados pelas quadrilhas especializadas nesse tipo de crime. As caminhonetes seriam levadas para a Bolívia e, acreditamos que seriam trocadas por cocaína”, disse Gurgel.

No celular de Gordão, foram encontradas fotos das vítimas e conversas que serão analisadas para identificar e prender o mandante do crime e o receptador desses veículos. Além dele e de Nycolas foram identificados também Cristian Souza do Nascimento e Marcos Vinicius de Souza Santos.

O quarto ocupante do carro estava sem documentos e não há informações sobre o garupa da motocicleta. Nycolas tem diversas passagens pela polícia e também teria ameaçado juízes e outras autoridades em Goiás.

Ainda segundo Gurgel, os outros integrantes da quadrilha também acumulam passagens por crimes graves e um deles estava foragido desde o dia 19 de novembro deste ano. Todos estavam armados com pistolas e revólveres que foram apreendidos junto com braçadeiras, fita adesiva e celulares.