Menu

Fale Conosco Expediente Buscar

Corumbá, MS
14 de Agosto de 2018
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
 

Corregedor proíbe reuniões políticas em presídio onde está Puccinelli

Campo Grande News em 04 de Agosto de 2018

Marina Pacheco/CG News

Políticos do MDB saindo ontem do Centro de Triagem

O juiz Alexandre Antunes, corregedor do Centro de Triagem Anísio Lima, no Jardim Noroeste, em Campo Grande, determinou que sejam vetadas as reuniões políticas no local com o ex-governador André Puccinelli (MDB), preso desde o dia 20 de julho. Políticos estavam visitando Puccinelli no local sem qualquer restrição.

Em ofício à Agepen (Agência de Administração do Sistema Penitenciário), o juiz pediu explicação sobre visitas fora dos horários pré-determinados e também determinou a proibição de realização de reuniões políticas. Normalmente, as visitas nesse complexo penitenciário são, aos domingos, mediante cadastrametno anterior. "A regra é para todos", afirmou o magistrado. 

Quanto aos advogados, o magistrado disse que podem visitar Puccinelli os que representam o cliente no processo, diante do fato de que políticos que são formados em direito e têm registro na OAB (Ordem dos Advogados do Brasil) estavam visitando o ex-governador, que era candidato ao Governo até domingo passado.

A Agepen (Agência Estadual de Administração do Sistema Penitenciário) havia informado que as visitas dos parlamentares são permitidas com base no artigo 58 da Constituição Estadual. O texto diz que "os deputados terão acesso às repartições públicas estaduais para se informarem sobre qualquer assunto de natureza administrativa". Não há citação a outros políticos, como ministros e parlamentares federais.

Conforme a agência, a notificação do juiz foi recebida e será cumprida. O órgão informou que a preocupação coincide com uma medida já adotada, de solicitar parecer jurídico sobre a criação de uma norma específica de visitação nos estabelecimentos penais no Estado.

"Comitê de campanha"

A prisão de Puccinelli levou ao Centro de Triagem deputados estaduais, senadores e representantes do MDB. Ontem, dia que antecedeu à convenção da leganda, o movimento se intensificou no presídio. Passaram pelo local os deputados estaduais Renato Câmara, Eduardo Rocha e o presidente da Assembleia Legislativa, Junior Mochi, além do presidente do MDB em Campo Grande, Ulisses Rocha, e o senador Waldemir Moka, vice-presidente estadual da legenda. O ministro Carlos Marun também esteve no presídio. 

Preso como parte das investigações da Operação Lama Asfáltica, André divide cela com mais 20 presos, entre eles o filho, o advogado André Puccinelli  Junior e o advogado João Paulo Calves, sócio de Puccinelli Junior no institulo Ícone.

Todos esperam decisão do STF (Supremo Tribunal Federal) sobre pedido de habeas corpus.

Ações e Compartilhamento
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE