Menu

Fale Conosco Expediente Buscar

Corumbá, MS
14 de Agosto de 2018
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
 

Organizações divulgam propostas de segurança pública para candidatos

Agência Brasil em 02 de Agosto de 2018

Foi lançada hoje (2) a publicação Agenda Segurança Pública é Solução, que traz sete propostas sobre segurança pública para os candidatos à Presidência da República. O trabalho é uma parceria entre o Instituto Igarapé, o Instituto Sou da Paz e o Fórum Brasileiro de Segurança Pública. A publicação está disponível na internet.

Para reduzir a violência, os institutos propõem: sistema eficiente de gestão, estruturas estatais coercitivas e regulatórias para enfrentar o crime organizado, efetividade e eficiência no trabalho policial, reestruturação do sistema prisional, programas de prevenção da violência, reorientação da política de drogas e regulação e controle das armas de fogo.

Todas as medidas da agenda podem ser implantadas imediatamente, segundo as entidades, sem a necessidade de mudanças na legislação. De acordo com a diretora executiva do Instituto Igarapé, Ilona Szabó, na próxima semana, o documento será entregue às coordenações de campanhas dos candidatos, aos partidos políticos e ao Ministério da Segurança Pública.

“De um lado, [a agenda] tem objetivo muito claro de influenciar programas de governo, os novos mandatos, e outro de levar mais informação para sociedade, para embasar escolhas mais informadas, um voto mais consciente, e de fato a sociedade possa estar ajudando nessa construção de um país mais seguro”, disse.

Segundo o diretor-presidente do Fórum Brasileiro de Segurança Pública, Renato Sérgio de Lima, o objetivo é contribuir para o debate com ideias propositivas para resolver o problema da segurança pública e fugir da polarização política, quando surgem ideias “completamente desprovidas de qualquer tipo de base de realidade” e que “se aproveitam do medo da população”.

“Tem valorização do que já está sendo feito, mas tem uma palavra-chave: governança e coordenação. Se não articular, não integrar todas as instituições envolvidas, hoje, esse trabalho que já é grande, no fundo acaba batendo cabeça e quem vai dar o tom não é o Estado, mas o crime organizado”.

Lima defende mais investimentos no setor, porém com reorganização da forma de trabalho, com uso de tecnologia, redistribuição de tarefas e competências. “Um guarda municipal não precisa fazer a mesma coisa que a Polícia Militar. A investigação que a Polícia Civil faz pode aproveitar a tecnologia, por exemplo, para conversar com o Exército. Se eu integro, eu economizo, eu racionalizo o gasto e não necessariamente gero novas despesas”.

O diretor-executivo do Instituto Sou da Paz, Ivan Marques, disse que as prioridades devem ser combater o crime organizado e reduzir os crimes violentos. Ele destacou que um dos pontos fundamentais é fazer o controle mais efetivo das armas de fogo em circulação no país, assim como o Estado já controla o álcool e explosivos.

“É preciso ter também a capacidade de controlar a arma de fogo, que gera mais de 45 mil mortes todos os anos. No Brasil, as pessoas têm o direito de ter armas, elas podem ter até seis armas se quiserem. A questão é como controlar essas armas e como fazer com que essas armas não sejam desviadas para o crime. Além disso, a gente precisa também controlar as armas que chegam ilegais no Brasil ou aquelas que são desviadas dentro do comércio legal e acabam nas mãos do criminoso”.

Intervenção no Rio

No mês passado, o Instituto Igarapé lançou a Agenda Rio Seguro, com 25 propostas para segurança pública e justiça criminal do estado do Rio. O objetivo é o combate à letalidade violenta, o crime organizado e a corrupção policial.

O instituto sugere mudanças na forças policiais, no sistema penitenciário, controle interno e externo das polícias e dos agentes penitenciários, criação de ouvidorias e corregedorias e atuação mais ativa do Ministério Público.

A diretora do instituto Ilona Szabó diz que o trabalho feito pela intervenção federal converge com as propostas. “A Agenda Rio não foi pensada em relação à intervenção, foi pensada em como a gente fortalece a segurança pública do estado. Essa também tem sido a preocupação principal das ações que estão sendo deixadas. É como, de fato, os militares que aqui estão por um período muito curto, não precisam voltar. O foco é na gestão”.

Sobre o aumento dos homicídios decorrentes de intervenção policial em junho, a diretora considera “inaceitável” e informou que as organizações estão sugerindo ações para diminuir os casos, como treinamento do uso da força pelas polícias e acompanhamento psicológico para os agentes com o maior número de ocorrências desse tipo.

Ações e Compartilhamento
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE