Menu

Fale Conosco Expediente Buscar

Corumbá, MS
19 de Agosto de 2018
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
 

José Aldo nocauteia Stephens no primeiro round no Canadá

Globoesporte.com em 29 de Julho de 2018

Jeff Bottari/Getty Images

José Aldo deixou para trás a derrota para Holloway e voltou a vence

A amarga e inédita sequência de duas derrotas, em 14 anos de carreira profissional no MMA, fez a dúvida pairar sobre a cabeça de José Aldo. A confiança não voltou a ser a mesma após o fatídico nocaute sofrido para Conor McGregor, aos 13 segundos de luta, em 2015. Aos 31 anos de idade, consagrado como um dos melhores da história e resolvido financeiramente, o ex-campeão do peso pena precisava se reinventar.

E foi o que ele fez neste sábado, no UFC Calgary, no Canadá, país que serviu de palco no início da sua trajetória no Ultimate, em 2011. Na cidade, agora local do seu recomeço, o peso pena espantou a má fase após dois anos sem vitória no octógono. E foi da melhor forma: bateu Jeremy Stephens por nocaute técnico aos 4m19s do primeiro round. Emocionado, comemorou o triunfo como se valesse o título. E, para ele, o significado talvez tenha sido realmente maior. 

"Foi aqui que comecei minha carreira, estou voltando aqui para recomeçar. Estou tentando recomeçar, eu estava lutando em cima de uma coisa que não podia errar. Vim no fio da navalha, sabendo que não podia errar ou podia perder a luta. Mas acertei ali e consegui acabar. Acho que agora estou de volta, o campeão voltou! Mantendo o caminho aí, a gente chega. O Max Holloway está passando por problemas, ele é um grande campeão, espero que possa voltar, e que eu possa enfrentá-lo de novo ou quem for o campeão".

Empolgado e alividado com a vitória, José Aldo dançou no octógono, subiu na grade e foi até a primeira fila dar um beijo na esposa Viviane. Líder da academia Nova União e principal treinador do brasileiro, Dedé Pederneiras soltava o grito no cage, enquanto Emerson Falcão, técnico de kickboxing, e Léo Santos, parceiro de equipe, vibravam com o resultado de um árduo trabalho.

José Aldo - que perdeu duas disputas de cinturão para Max Holloway, em 2017 - não vencia por nocaute técnico desde 2013, quando bateu Chan Sung Jung, o Zumbi Coreano, no Rio de Janeiro. Stephens, por sua vez, terá de lidar com o rótulo de perder seus confrontos quando se aproxima de uma chance pelo título. O americano estava embalado por três triunfos, porém, vai ser obrigado a reconstruir sua caminhada.

A luta

O alto poder de nocaute de José Aldo e Jeremy Stephens fez com que o começo da luta fosse tenso, sob estudo de parte a parte. O ex-campeão do peso-pena, que havia prometido utilizar mais as pernas, acertou um chute alto, na guarda do oponente, rapidamente devolvido na mesma moeda. Stephens arriscou uma bomba, por cima da cabeça do rival, que soltou um jab. O americano encurtou a distância e conectou uma joelhada. O brasileiro aplicou bom chute baixo, que desequilibrou Stephens e encaixou boa combinação em seu rosto. Um chute na coxa, ouvido até nas arquibancadas da arena, fez os fãs se lembrarem da potência desta arma do manauara.

Quando Aldo acertou um bom gancho, o adversário partiu para a trocação franca, evitada pelo atleta canarinho. Perigoso, Stephens acertou uma ótima sequência no queixo de José Aldo, que balançou e se viu em apuros. O representante da Nova União se manteve firme, fugiu de um soco giratório e mostrou que estava inteiro e com o reflexo pouco comprometido. A luta se encaminhava para o final, entretanto, José Aldo desferiu um soco na linha de cintura de Stephens, que fez cara de dor, colocou a mão na região abdmonial e caiu. Farejando a possibilidade do nocaute, Aldo avançou com tudo, aplicou uma saraivada de socos e liquidou Stephens.

Ações e Compartilhamento
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE