Menu

Fale Conosco Expediente Buscar

Corumbá, MS
20 de Setembro de 2018
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
 

A dois anos da Olimpíada, Brasil tem 53 atletas entre os 10 melhores do mundo

Globoesporte.com em 23 de Julho de 2018

A metade final da caminhada para os Jogos Olímpicos de Tóquio se inicia nesta terça-feira, quando o cronômetro marcará uma regressiva exata de dois anos para o megaevento na Ásia. A julgar pela performance na atualidade, o Brasil desponta com chances de fazer uma campanha sólida e sonhar com mais pódios do que os 19 conquistados no Rio, em 2016.

Levantamento feito pelo COB (Comitê Olímpico do Brasil) e obtido pelo GloboEsporte.com mostra que o país tem hoje 53 atletas e equipes entre os dez melhores do mundo em seus esportes, ou seja, em plenas condições de brigar por finais em Campeonatos Mundiais e na Olimpíada.

[foto1

É possível refinar ainda mais a lista e mirar quem atualmente encabeça a briga por medalhas. Do contingente total, 29 atletas estão no top 3 de suas modalidades, na elite internacional. É o caso de medalhistas olímpicos em edições passadas - a judoca Mayra Aguiar, o ginasta Arthur Zanetti e o canoísta Isaquias Queiroz - e novatos como o skatista Pedro Barros e o surfista Filipe Toledo, cujos esportes estrearão no programa olímpico em Tóquio 2020. 

"A Olimpíada de 2016 foi um campeonato fantástico, incrível. A canoagem era o patinho feio do esporte brasileiro. A gente foi lá para fazer estrago, e em 2020 vamos para garantir mais um recorde, principalmente meu, de conquistar mais duas medalhas e entrar naquele livro de recordes, de atletas com cinco medalhas", afirmou Isaquias, que saiu do Rio com duas pratas e um bronze.

  O baiano tentará empatar em medalhas com os velejadores Robert Scheidt e Torben Grael, que são os brasileiros com mais pódios na história olímpica.

Outra ala de novidades é formada por jovens que despontaram depois de 2016. Um dos expoentes desse grupo é Almir Júnior, de 25 anos, que há menos de dois anos trocou o salto em altura pelo triplo e se estabeleceu como um dos melhores do planeta. Neste ano, ele tem a terceira melhor marca internacional (17,53m) e faturou a medalha de prata no Campeonato Mundial Indoor em Birmingham.

"Quanto mais eu salto mais perto eu fico de Tóquio. Cada vez mais eu sinto que é mais real. Mas, ao mesmo tempo, tudo é novidade. E eu me deslumbro com o que vem acopntencendo, mas mantenho o pé no chão para que isso não seja passageiro, para que isso não passe de forma repentina. Não, eu quero me manter onde estou e não parar. E pra isso é trabalho. Eu me vejo lá em Tóquio, e sinto isso", disse o atleta, que terá chance de dar continuidade ao legado nacional no salto triplo, que já teve Adhemar Ferreira da Silva, Nelson Prudêncio e João do Pulo.

Um dado interessante é que a média de idade dos atletas que compõem essa faixa dos presentes no top 3 mundial está abaixo dos 27 anos (exatamente 26,9 anos). Em perspectiva, dá a entender que Isaquias, Almir e muitos outros podem estar nos Jogos de Paris, em 2024. 

Outros, como Gabriel Santos (22 anos) e Pedro Spajari (21), respectivamente quarto e terceiro colocados no ranking mundial dos 100m livre da natação, podem até esticar até os Jogos de Los Angeles, em 2028. Ambos são companheiros de treino no Esporte Clube Pinheiros, e Gabriel tem a seu favor o fato de ter vivido a experiência da Rio-2016 e ser medalhista no revezamento 4x100m no Campeonato Mundial de Budapeste, no ano passado. 

A expectativa positiva é bem-vinda, mas o diretor de esportes do COB (Comitê Olímpico do Brasil), Jorge Bichara, prega cautela na avaliação de potenciais medalhas em 2020. Sobretudo porque, na verdade, o que contam são os dois últimos anos do ciclo olímpico, que estão para começar.

"O Brasil tem, nesse momento, acima de 50 atletas ou equipes no top 10 do mundo. É um número que a gente considera razoável nesse momento em termos de perspectiva para os Jogos de Tóquio. Então, é um momento que a gente está mapeando ainda todas as nossas possibilidades e trabalhando a nossa organização em Tóquio", afirmou. 

Veja os brasileiros entre os melhores do mundo na atualidade:

No Top 3

Mayra Aguiar (judô)
Vôlei masculino
Bárbara/Fernanda (vôlei de praia)
Filipe Toledo (surfe)
Jorge Zarif (vela)
Letícia Bufoni (skate)
David Moura (judô)
Érika Miranda (judô)
Henrique Avancini (ciclismo)
Vinícius Figueira (karatê)
Maria Portela (judô)
Pedro Spajari (natação - 100m livre)
Bruno Fratus (natação)
Pedro Barros (skate)
Luan de Oliveira (skate)
Evandro/Vitor (vôlei de praia)
Valéria Kumazaki (karatê)
Rafael Silva (judô)
Ana Marcela Cunha (maratona aquática)
Arthur Zanetti (ginástica)
Gabriel Medina (surfe)
Tatiana Weston-Webb (surfe)
Kelvin Hoefler (skate)
Pâmela Rosa (skate)
Alison/Andre (vôlei de praia)
Almir dos Santos (atletismo)
Anderson Ezequiel de Souza Filho (ciclismo)
Isaquias Queiroz (canoagem velocidade)
Núbia Soares (atletismo)

No Top 10
Vôlei feminino
Maria Suelen Altheman (judô)
Vinicius Lanza (natação)
Italo Ferreira (surfe)
Darlan Romani (atletismo)
Ana Sátila (canoagem slalom)
Ágatha/Duda (vôlei de praia)
Pedro Spajari (natação - 50m livre)
Gabriel Santos (natação)
Fernando Scheffer (natação)
Guilherme Costa (natação)
Iris Tang Sing (taekwondo)
Andressa de Morais (atletismo)
Eduardo Yudi Santos (judô)
Willian Cardoso (surfe)
Gabriel Constantino (atletismo)
Beatriz Souza (judô)
Erica de Sena (atletismo)
Ivan Monteiro (skate)
Yndiara Asp (skate)
Jéssica Pereira (judô)
Silvana Lima (surfe)
Maria Elisa/Carol (vôlei de praia)
Hugo Calderano (tênis de mesa)
Daniel Cargnin (judô) 

Ações e Compartilhamento
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE