Menu

Fale Conosco Expediente Buscar

Corumbá, MS
19 de Agosto de 2018
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
 

Corumbá é destaque em clipe de música que exalta cultura de MS

Ricardo Albertoni em 20 de Julho de 2018

Nos últimos dias, o link do clipe de uma música quase todo ambientado em Corumbá começou a ser muito compartilhada em redes sociais e aplicativos de celular. O vídeo bem produzido e o ritmo envolvente que mescla ritmos que fazem parte da história de Mato Grosso do Sul e particularmente da Cidade Branca despertou a curiosidade de muitos em saber quem era o autor por trás da obra que possui tamanha identificação de um povo, cultura e região, e se apresenta como uma homenagem à história do município, seus hábitos e costumes.

A miscigenação singular do povo corumbaense dá o tom da obra. A mistura de raças e culturas do mundo inteiro e das mais variadas regiões do país reunidas em um só lugar faz do habitante da região pantaneira um retrato do povo sul-mato-grossense. A maneira de se expressar e o contexto são determinantes para que uma palavra seja usada como ofensa ou reconhecimento. Segundo um dos compositores, o douradense Vinil Moraes, o trecho “É coisa de bugre é coisa de nego, é coisa de pantaneiro”, é uma reverência às culturas que formaram a população brasileira. “É um momento de exaltação da cultura indígena, negra, miscigenada, que forma a população brasileira em sua matriz, é nossa cultura, a cultura do povo em destaque”, explicou Vinil Moraes.

A música “Coisa de Brasileiro” composta pelo cantor no clipe Vinil Moraes, os músicos Vitor Maia e Lucas Gabriel, é uma exaltação à Mato Grosso do Sul que coloca Corumbá, berço da cultura da região como primeiro plano. Ao Diário Corumbaense, Moraes, que além de músico é advogado, contou a ligação dele com a cidade e como a ideia de misturar os ritmos como samba, semba, coco do nordeste e baião com as palmas tradicionais, acabou dando certo.

Divulgação/Heinz Ploder

Obra é homenagem à história do município, seus hábitos e costumes

“Meus bisavós são corumbaenses, da família Ajala,  e sempre acompanhei o carnaval de Corumbá quando era pequeno, tenho muitos amigos na cidade. A ideia dessa música surgiu de colocar em primeiro plano a cultura de Mato Grosso do Sul. Quando a gente começou a fazer a composição nos remetemos diretamente para Corumbá porque somos músicos e conhecemos o Cururu e o Siriri, então começamos a compor por esse caminho, mostrando como o nosso estado é belo e como Corumbá tem grande relevância para a cultura tanto de Mato Grosso quanto de Mato Grosso do Sul depois de dividido, como celeiro onde ainda existem os grandes griôs - grandes sábios da tradição oral - da nossa cultura como o mestre Agripino agora com 100 anos. A gente resolveu fazer uma música para falar de nosso estado e exaltar a cultura do Mato Grosso do Sul em sua forma mais raiz, falando também do nosso Pantanal, da tradição do samba em Corumbá”, explicou Vinil.

O clipe que foi produzido de maneira independente em agosto de 2017 em Corumbá, contou com apoio da Prefeitura Municipal por intermédio da Fundação de Turismo do Pantanal e Fundação de Cultura de Corumbá, na época sob direção de Luiz Mário Cambará. A direção de vídeo ficou a cargo do austríaco Heinz Ploder, que se encantou com o projeto enquanto a direção musical foi feita em Campo Grande por Luiz Carlos Santana.

Divulgação/Heinz Ploder

A ideia de misturar os ritmos como samba, semba, coco do nordeste e baião com as palmas tradicionais acabou dando certo

“A produção musical foi feita em Campo Grande e dirigida pelo Luiz Carlos Santana nosso mestre da orquestra ‘Vai Quem Vem’ no qual já temos um trabalho de divulgação de Cultura Popular no Mato Grosso do Sul. Foi gravada no estúdio do Gleyton Berbet onde foi feita a edição, foi mixada pelo Jeff Boto e masterizada pelo Buguinha Dubb, que é um dos grandes nomes da parte técnica do Brasil que já trabalhou com Nação Zumbi, por exemplo. A ideia dessa fusão de ritmos partiu dessa pesquisa juntamente com Luiz Carlos Santana. Agradecemos especialmente ao Mestre Orlando, Mestre Pernambuco (Lamartine José), Ramão Cuíca e em memória, o grande compositor de samba no nosso estado, Luís Cambará”, disse Vinil se referindo ao patriarca da tradicional família na cidade que possui forte ligação com a cultura da região e especificamente o samba. Tiago Cambará, sobrinho/neto do compositor corumbaense participou na percussão, no pandeiro.

No dia 17 de julho o clipe foi lançado oficialmente pela rede mundial diretamente da Áustria, onde está o músico que faz uma mini turnê pela Europa levando a cultura sul-mato-grossense por vários pontos do Velho Continente.

“Nós fizemos o show 'Coisa de Brasileiro' em Graz na Áustria, segunda maior cidade do País e agora estamos indo pra Viena (capital austríaca). Estamos bem contentes com o que está acontecendo e a aceitação do público”, finalizou Vinil que busca apoio para que quando retorne da Europa se apresente em Corumbá.

Ações e Compartilhamento
Comentários:

Lourimar Neto: Ao ouvir algumas vezes fiquei encantado com toda essa mistura harmônica que aproveita extremamente bem e de maneira discreta o som do Brasil de Chico Science e nossa regionalidade do Siriri e do Cururu. O clip muito bem feito. Tudo com alma com coração. Se não fosse assim,não seria Vinil Moraes. Parabéns a Corumba MS Linda como sempre e de um povo extremamente hospitaleiro. Beijos pra Ladario.Viva Vinil Moraes.

Lamartine José dos santos: Sucesso sempre Vinil Moraes e Luiz Carlos Att, Mestre Pernambuco

Gilmar de Castro Ribeiro: Adoro está Cidade.. ! Vou 3 vzs por ano aí. Tenho muitos amigos em Corumba. Não troco está Cidade por nem uma outra. Parabéns..outubro estou de volta...

Vilmeire Silva: Que bom lhe ver Luiz Santana com magia da musica. Parabéns ao grupo pelo grande sucesso espalhando pelo mundo

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE