Menu

Fale Conosco Expediente Buscar

Corumbá, MS
25 de Maio de 2018
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
 

Mesmo com saída do MDB, base do governo continua sendo maioria na Assembleia

Campo Grande News em 09 de Maio de 2018

Mesmo com a saída do MDB, a base aliada do governador Reinaldo Azambuja (PSDB) continua com maioria na Assembleia Legislativa, tendo o apoio de 13 dos 24 deputados, faltando cinco meses para eleição. Fazem parte deste grupo os parlamentares do PSDB, PSD, Democratas, Solidariedade e PEN.

O governador começou sua gestão em janeiro de 2015 com 20 deputados na sua base de apoio, tendo o MDB como seu principal aliado, já que tinha maior bancada junto com os tucanos. Eles, inclusive, se dividiram em dois blocos, para indicar representantes nas comissões e ainda conduzir as votações na Assembleia.

Luciana Nassar/ALMS

Líder do governo, Rinaldo Modesto (PSDB), ao lado do deputado Junior Mochi (MDB), presidente da Assembleia

Os emedebistas contribuíram em votações importantes ao governo, como o teto de gastos, reforma da previdência, convalidação dos incentivos fiscais, Refis (Programa de Refinanciamento de Dívidas) e ajuste fiscal em relação a produtos supérfluos, IPVA (Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores) e ITCD (Imposto sobre a Transmissão Causa Mortis e Doação).

Apoio

A base aliada conta agora com os deputados: Grazielle Machado (PSD), José Carlos Barbosa e Zé Teixeira do DEM, Herculano Borges (SD), Lídio Lopes (PEN), além dos oito tucanos: Beto Pereira, Rinaldo Modesto, Onevan de Matos, Felipe Orro, Mara Caseiro, Maurício Picarelli, Paulo Corrêa e Enelvo Felini.

Os sete deputados do MDB que saíram da base aliada se colocaram na posição de “independentes”, com o compromisso de votar a favor de projetos importantes ao Estado. São eles: Paulo Siufi, Eduardo Rocha, George Takimoto, Márcio Fernandes, Renato Câmara, Antonieta Amorim e Junior Mochi.

Oposição

A bancada do PT que é formada por quatro deputados – Pedro Kemp, Cabo Almi, Amarildo Cruz e João Grandão – são aqueles que se colocam como oposição e votaram contra o governo em projetos polêmicos, como no “ajuste fiscal”, reforma da previdência e teto de gastos, mas foram favoráveis ao Refis e convalidação dos incentivos.

O líder do Governo na Assembleia, Rinaldo Modesto (PSDB), disse que respeita os motivos do MDB para deixar a base, mas pediu aos parlamentares que continuem votando a favor dos projetos que são importantes para o Estado, assim como ocorreu em outras oportunidades nestes três anos e cinco meses de mandato.

Saída

Depois de oito anos de parceria nos dois mandatos de Puccinelli, somados aos três anos e cinco meses da gestão tucana, a saída da base é justificada pelos emedebistas como uma “posição política”, já que o partido tem pré-candidato ao governo e deve ter Azambuja como um dos adversários.

Eles alegam que estavam sendo questionados se “tinham dois candidatos” para eleição e por isso deixaram a base para “defender o legado” do ex-governador André Puccinelli (MDB). A decisão foi tomada durante uma reunião na segunda-feira (07), na casa do deputado Renato Câmara (MDB), que teve a presença do senador Waldemir Moka, Puccinelli e dos sete deputados.

 

Ações e Compartilhamento
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE