Menu

Fale Conosco Expediente

Corumbá, MS
23 de Novembro de 2017
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
 

Justiça suspende autorização de desmatamento de mais de 20 mil hectares no Pantanal

Da Redação em 08 de Novembro de 2017

A pedido do Ministério Público de Mato Grosso do Sul, por meio da Promotora de Justiça Ana Rachel Borges de Figueiredo Nina, titular da 2ª Promotoria de Justiça de Corumbá, a juíza de Direito Luiza Vieira Sá de Figueiredo deferiu a liminar postulada para suspender a autorização ambiental nº 232/2017, emitida pelo IMASUL que autoriza realizar desmatamento em mais de 20 mil hectares no Pantanal.

De acordo com a decisão, fica determinado que os proprietários Elvio Rodrigues e Sônia Oliveira Rodrigues se abstenham de realizar qualquer intervenção na propriedade rural Fazenda Santa Mônica, no município de Corumbá, que tenha por base a Autorização Ambiental n. 232/2017.

O Ministério Público Estadual instaurou o Inquérito Civil n. 11/2016, cujo objeto era coletar informações, subsídios e elementos de convicção acerca da supressão vegetal no Pantanal, bem como recomendar que o órgão ambiental realizasse audiência pública (única) para tratar de todos os EIA-RIMAS referentes às Fazendas Santa Glória, São Sebastião, Santa Mônica e Cruz Alta; além de requisitar a relação e cópia digital de todos os EIA-RIMAS, pedidos, pareceres e licenças emitidas para desmatamento/supressão vegetal na bacia do Alto Paraguai com área acima de mil hectares, desde a vigência do Novo Código Florestal.

Segundo informações levantadas pela Promotoria de Justiça, o IMASUL emitiu, em favor dos proprietários Elvio Rodrigues e Sônia Oliveira Rodrigues, autorização ambiental de supressão vegetal (desmatamento) em 20.526 (vinte mil, quinhentos e vinte e seis) hectares da Fazenda Santa Mônica.

Os fundamentos decorreram de: Violação do Estudo de Impacto Ambiental por haver contrariado: a.1) o Zoneamento Ecológico-Econômico (Lei Estadual n. 3.839/2009); a.2) a resolução Conama n. 302/2002 c/c art. 8º do Código Florestal.

Houve falha no estudo de impacto ambiental e no procedimento de licenciamento, em razão de não haver sido considerado as normas: Lei Estadual n. 3.389/2009 (ZEE); Decreto Federal n. 5.092/04 e Portaria MM n. 223/2016 (Áreas Prioritárias para Conservação); Artigos 26, 27 e 28 do Código Florestal; o Termo de Referência que é o embasamento do Estudo, conteve falhas consistentes por não ter sido elaborado com a especificidade que o bioma do Pantanal necessita para sua conservação; não ter realizado o Estudo de Impacto Ambiental, nem mesmo o termo de referência elaborado pelo órgão ambiental. Em caso de descumprimento, os proprietários serão notificados com pena de multa no valor de 5 mil reais por cada hectare de intervenção. As informações são da Assessoria de Comunicação do Ministério Público de MS.

Ações e Compartilhamento
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE