Menu

Fale Conosco Expediente Buscar

Corumbá, MS
17 de Dezembro de 2017
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
 

Apesar de comemoração mais “caseira”, Dia dos Pais deve movimentar a economia local

Lívia Gaertner em 02 de Agosto de 2017

Nas vitrines do comércio central de Corumbá, a lembrança ainda é tímida, assim como uma possível reação que a data provocará na economia local, segundo atesta pesquisa da intenção de compras para o Dia dos Pais em Mato Grosso do Sul promovida em conjunto pelo Instituto de Pesquisa e Desenvolvimento Fecomércio MS e o Sebrae, entre os dias 13 e 21 de julho, cujo resultado foi divulgado esta semana.

Estima-se que o dia dos pais de 2017 possa movimentar R$ 8,56 milhões na economia de Corumbá e Ladário. Desses, 53,97% destinados a comemoração (R$ 4,62 milhões) e 46,03% a presentes (R$ 3,94 milhões). “A pesquisa aponta certa estabilidade com um viés para cima, refletindo aquilo que vimos nos telejornais de que a economia parou de piorar e aponta para uma certa estabilidade”, disse o presidente do Sindicato do Comércio Varejista, Otávio de Araújo Philbois ao Diário Corumbaense.

Anderson Gallo/Diário Corumbaense

Consumidor ainda está tímido com relação às compras, porém pesquisa aponta que movimento deve se concentrar na próxima semana

Apesar da maioria dos entrevistados, 41,21%, avaliar que a situação deste ano está melhor em relação ao ano passado, a pesquisa também apontou que haverá uma redução da porcentagem de pessoas que devem ir às compras para a data comemorativa. Em 2016, 62,5% dos entrevistados afirmaram que gastariam, em média, R$ 148, enquanto agora, 56%  pretendem gastar a média de R$ 119.

O que aponta não ter alterado são as opções preferidas para presentear: 40,94% devem escolher produtos de vestuário; 14, 17% calçados e 11,02% perfumes, provando que a data é bastante tradicional.

As lojas do comércio da área central são a preferência dos entrevistados (81,03%) que afirmam que irão escolher o presente do pai nesses estabelecimentos. Quanto à forma de pagamento, 62,93% estão fugindo do pagamento em crediário ou cartão de crédito. A maioria mesmo deve optar por pagar o presente em dinheiro, o que ajuda na negociação dos valores, a popular “pechincha”.

E provando aquela frase de que “brasileiro deixa tudo para última hora”, 70,43% dos entrevistados devem ir às compras do presente do pai na semana da data que, este ano, cairá entre os dias 07 a 12 de agosto.

Apesar disso, algumas lojas já perceberam a movimentação pela data desde o final de julho. São aquelas que trabalham com produtos personalizados: canecas, camisetas, travesseiro, enfim, uma infinidade de opções que deixam literalmente o presente “a cara do pai”. “Trabalhamos com valores bem acessíveis, a partir de R$ 9,90 e isso tem atraído muita gente, além do que é uma forma bem particular de presentear: ter a imagem do pai ou sua junto dele em algum produto”, destacou a vendedora Suellen Tolone.

Em casa

A pesquisa também perguntou quanto à comemoração e 87,73% dos entrevistados afirmaram que ela será mais caseira, dispensando viagens, passeios e idas a restaurantes, por exemplo.  Sendo assim, 54,60% pretendem realizar gastos voltados à alimentação e 33,13% direcioná-los a bebidas. Nesses casos, o gasto médio gira em torno dos R$ 160.

Otávio Philbois analisa que pior período para o setor já passou; agora, momento é de estabilidade e reerguimento

“Como parcela significativa da população de Corumbá e Ladário realizará sua comemoração em casa, há oportunidades de maior dinamismo aos supermercados e similares e, de restaurantes que trabalhem com delivery”, disse Otávio Philbois.

Ações e Compartilhamento
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE