Menu

Fale Conosco Expediente Buscar

Corumbá, MS
12 de Dezembro de 2017
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
 

Oficina do Sesc e Iphan ensina a confeccionar e decorar andor para a festa de São João

Da Redação em 20 de Junho de 2017

Anderson Gallo/Diário Corumbaense

Oficina começou na segunda-feira e ensina a confeccionar e decorar andor de São João

O Sesc Corumbá e o Iphan (Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional) estão realizando a oficina de andores de São João, com o objetivo de ensinar a confeccionar e enfeitar andores para o banho de São João na cidade. Cerca de 20 pessoas participam da oficina que contou com uma palestra sobre a importância do patrimônio cultural e em seguida, a aula prática usando materiais recicláveis. Ao todo, três andores serão produzidos pelos participantes até esta quarta-feira (21) e serão expostos na festa do banho de São João.

De acordo com a chefe do escritório técnico do Iphan de Corumbá, Edivania Freitas, a proposta surgiu a partir das ações comemorativas dos 80 anos do instituto e considerando o processo de registro como patrimônio imaterial brasileiro do Banho de São João, iniciado em 2010. A oficina foi proposta como uma ferramenta de educação patrimonial. Edivania ressaltou ainda que o processo de registro de patrimônio imaterial demora em média cinco anos e envolve uma equipe multidisciplinar. “Existe um dossiê que tem que ser feito sobre toda a história do bem cultural, com fotos e no caso do banho de São João é peculiar por conta também dos vizinhos ladarenses e outras manifestações religiosas”, contou.

A professora, Margarida Galnida Soares, de 52 anos, desde pequena faz parte do grupo Siriri e Cururu de Ladário. “Quando era criança nós dançávamos no grupo e sempre passamos para os outros a tradição”, disse. Margaria acrescentou ainda que participar da oficina é uma forma de manter a tradição do banho de São João em Corumbá e Ladário. “Quero repassar para as crianças a importância, se desde pequena eu aprendi, as crianças também podem aprender. Ainda em Corumbá, nas escolas essa tradição não é valorizada como deveria, falta o ensinamento da tradição”, disse ao Diário Corumbaense.

A artesã do Clube de Mães da Cidade Dom Bosco, Suzi Ester Suane, de 40 anos, se inscreveu para participar da oficina como uma forma de aprender mais sobre o uso de materiais recicláveis e também poder transmitir o conhecimento para outras pessoas. “Quero ensinar o que eu aprendi para os meus filhos, mães e crianças que ensino como instrutora no Clube de Mães. Sei como utilizar a garrafa pet como enfeite e vim para aprender mais um pouco”, afirmou.

Ideia é que participantes repassem à outras pessoas o que aprenderam

De acordo com o artista plástico, José Antônio Garcia, o Tanabi, ministrante da oficina de andores, é importante ensinar as pessoas a responsabilidade que têm em relação a tradição cultural na cidade. “É trazer a responsabilidade para nós que seremos multiplicadores dessa manifestação popular. Cada um de nós deve mostrar o que Corumbá tem de belo, então, eu acho que esse curso é uma forma de passar a cada um deles a responsabilidade e a sensação de que isso é nosso e ao mesmo tempo preservar o 'quase' patrimônio imaterial”, disse a este Diário. Tanabi ressaltou que a possibilidade do banho de São João se tornar patrimônio nacional é de extrema importância. “Existem outros lugares que dão banho nos santos, mas ter o rio Paraguai como parte de tudo isso, é um diferencial muito grande”, destacou.

O Banho de São João já foi registrado como Bem Imaterial do Estado de Mato Grosso do Sul. 

Ações e Compartilhamento
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE