Menu

Fale Conosco Expediente Buscar

Corumbá, MS
22 de Julho de 2018
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
 

Corumbá contará com 14 pontos de vacinação no Dia D contra a gripe neste sábado

Da Redação em 12 de Maio de 2017

Anderson Gallo/Diário Corumbaense

Secretaria de Saúde tem meta de vacinar 9.729 idosos

De acordo com o calendário de vacinação nacional, neste sábado, 13  de maio, acontece o Dia D da 19ª Campanha Nacional de Vacinação contra a Influenza e Corumbá contará com 13 pontos de imunização. São as Unidades Básicas de Saúde do Beira Rio, Kadwéus, Nova Corumbá, Breno de Medeiros, Popular Velha, Padre Ernesto Sassida, Luiz Fragelli, Humberto Pereira, Aeroporto II, Pedro Paulo II, Gastão de Oliveira; Fernando Moutinho e Vitória Régia. O município também vai montar um posto de imunização no centro comunitário do bairro Padre Ernesto Sassida.

A Secretaria de Saúde de Corumbá informa que as Unidades de Saúde funcionarão das 08 horas às 16h30 no sábado. A campanha, que teve início dia 17  de abril,  foi dividida em quatro etapas. A primeira atendeu crianças de 6 meses a menores de 2 anos de idade (1 ano 11meses e 29 dias) e os profissionais de saúde. Depois, foram imunizadas as gestantes, puérperas e crianças de 2 anos a menores de 5 anos (4 anos 11meses e 29 dias). Na terceira etapa receberam a vacina os idosos com comorbidades, indígenas, privados de liberdade, funcionários do sistema prisional e professores. 

A estimativa da Secretaria Municipal de Saúde é vacinar 2.538 profissionais de saúde; 3.048 crianças de 6 meses a 2 anos; 5.282 crianças de 2 a 4 anos; 1.524 gestantes; 251 puérperas; 160 indígenas; 9.729 idosos; 4.819 idosos com comorbidades; 766 privados de liberdade e 212 funcionários do sistema prisional.

Meta é imunizar mais de mil professores

Professores de escolas públicas e privadas passaram, neste ano de 2017, a integrar o público-alvo da campanha nacional de vacinação contra a gripe. Esta era uma reivindicação antiga da categoria, afinal, muitos desses profissionais dão aulas em salas que atingem mais de 40 alunos, ficando vulneráveis às doenças contagiosas, incluindo o vírus da Influenza.

“O setor de imunização de Corumbá tem a meta de vacinar 1.023 professores na cidade. Eles foram orientados pelo setor de Saúde a preencherem um documento e, munidos das identidades, podem ir até uma Unidade de Saúde para receberem a dose. Os holerites também valem como comprovação de que estão atuando em sala de aula. A imunização contra a gripe para estes profissionais segue até o final da campanha”, explicou ao a coordenadora do setor de imunização, Juciane Teixeira de Souza Silva.

O professor Reinaldo Molina foi um dos que já garantiram a imunização. Ele aproveitou que a escola onde leciona há mais de 20 anos, a Carlos de Castro Brasil, fica ao lado da Unidade Básica de Saúde da Família Luis Fragelli e se vacinou. 

Camila Cavalcante/Diário Corumbaense

Professor Molina garantiu dose de imunização; ex-aluna, hoje enfermeira, é quem o imunizou

“Além de professor, também sou formado em enfermagem, exerci as duas profissões por anos, tanto que de uma carga horária de professor, já aposentei. Também me aposentei da área da enfermagem e nestes próximos anos, termino minha missão de lecionar. Sei tanto pelo lado profissional de enfermeiro, quanto pelo lado profissional de professor a importância de ofertar, de forma gratuita, esta vacina aos educadores. Os professores são porta, tanto de entrada, quanto de saída de contaminação, pois se ele está infectado, pode transmitir para mais de 200 alunos o vírus, isso em apenas um dia. Se dois, três alunos estão infectados, ele pode transmitir para mais de 6, 10 professores ao dia. É um ciclo que merece atenção, por isso vim garantir minha imunização”, disse a este Diário o professor e enfermeiro Molina.

Profissão que forma profissões

Ao chegar à Unidade de Saúde, Molina foi reconhecido pela vacinadora Luciana Ambrósio, de 33 anos. Ela contou que Molina agiu de forma ativa e especial em dois momentos de sua vida: a primeira, estimulando-a a ser enfermeira, e na segunda, sendo seu professor de história.

“Vacinar o professor Molina é um prazer e um encontro simbólico, pois, a primeira pessoa que me encorajou a fazer enfermagem foi ele. Lembro que aos 12 anos estava passando a noite com meu pai, porque ele estava internado, e o professor Molina entrou no quarto e conversando, disse que eu deveria seguir essa profissão, pois se aos 12 anos tinha vocação para acompanhar meu pai, treinada, com estudo, eu seria uma boa profissional. O segundo momento foi que depois de anos, Molina foi meu professor de história. Esses profissionais, que formam profissionais, merecem total valorização e uma delas é essa, ter qualidade de vida, de forma gratuita, como a vacina contra a gripe”, ressaltou a vacinadora Luciana ao Diário Corumbaense.

 

Ações e Compartilhamento
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE