Menu

Fale Conosco Expediente Buscar

Corumbá, MS
20 de Setembro de 2018
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
 

Prefeitos pressionam deputados para mudar lei sobre prestação de contas

Campo Grande News em 05 de Setembro de 2018

Leonardo Rocha/CG News

Prefeitos, ex-prefeitos e deputados na sala de reuniões da Assembleia Legislativa, nesta quarta-feira

Prefeitos e ex-prefeitos foram à Assembleia Legislativa de Mato Grosso do Sul, nesta quarta-feira (dia 05), para reiterar pedido de mudança na lei de prestação de contas, feita ao TCE-MS (Tribunal de Contas de MS). Os atuais e ex-chefes dos Executivos municipais de pelo menos 70 cidades do Estado questionam a aplicação de multas da Corte Fiscal, em relação aos documentos que os municípios precisam enviar anualmente.

Segundo o presidente da Assomasul (Associação dos Municípios de MS), Pedro Caravina, que é prefeito de Bataguassu pelo PSDB, são três os questionamentos, e, consequentemente, pedidos à Assembleia.

Os prefeitos querem que uma PEC (Proposta de Emenda à Constituição) determine que a multa e responsabilização, em caso de descumprimento na entrega de um documento, recaia sobre o servidor responsável, ou, sobre ele o prefeito. "Não unicamente nele". Desta forma, afirma, o próprio funcionário ficará mais atento e até mesmo informar o chefe do Executivo municipal a respeito de algum problema.

Em segundo ponto, o TCE fará uma intimação pessoal do prefeito para que se defenda da eventual irregularidade. Conforme Caravina, "às vezes", o dirigente nem sabe que a prefeitura que comanda entregou determinado documento fora do prazo. "Se for intimado, vai correr atrás de resolver e justificar".

Por fim, o pedido é para que altere-se a aplicação de multa, que passará a ocorrer somente se a irregularidade causar danos aos cofres públicos ou outro tipo de prejuízo. O prefeito exemplificou dizendo que, na hora que analisar a prestação, o Tribunal de Contas vai ver se o atraso causou dano. Se não houver e o único problema for o atraso, a penalidade não precisa ser aplicada.

O presidente da Assembleia de MS, deputado Junior Mochi (MDB), disse que é possível chegar a um acordo com a Corte Fiscal e fazer com que as mudanças sejam apresentadas por meio de um projeto de lei complementar, não uma PEC. A diferença é que um projeto complementar tem a tramitação mais simples, enquanto uma Emenda à Constituição demanda tempo e quantidade de votos maiores.

Ambos do MDB, os deputados Renato Câmara e Márcio Fernandes defendem que a proposta seja apresentada e votada de forma imediata. Já José Carlos Barbosa e Onevan de Matos, os dois do PSDB, afirmam que a medida é importante, porém deve ser proposta após o período eleitoral.

Ações e Compartilhamento
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE