Menu

Fale Conosco Expediente Buscar

Corumbá, MS
20 de Setembro de 2018
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
 

Músicos do Moinho Cultural vão se apresentar em espetáculo com Alceu Valença e Orquestra de Ouro Preto

Ricardo Albertoni em 17 de Agosto de 2018

Anderson Gallo/Diário Corumbaense

Maria Eduarda Souza de Oliveira (16) e Roque Júnior (13), foram selecionados para um intercâmbio cultural patrocinado pela Vale

Se apresentar com a Orquestra Sinfônica de Ouro Preto e Alceu Valença, um dos mais importantes artistas da música brasileira, pode representar uma experiência distante para muitos músicos, não para dois jovens talentos corumbaenses.  Os integrantes do Instituto Moinho Cultural Sul-Americano Maria Eduarda Souza de Oliveira (16) e Roque Júnior (13), foram selecionados para um intercâmbio cultural patrocinado pela Vale que deve acontecer daqui a alguns dias.

Ao Diário Corumbaense, a diretora-executiva do Moinho, Márcia Rolon, explicou que acompanhados do coordenador de Música da instituição, o professor de cordas Emanuel Teixeira e Silva, os estudantes devem permanecer por uma semana em Ouro Preto, onde farão aulas com musicistas, se preparando para o evento, no período de 29 de agosto a 02 de setembro.

“Esse intercâmbio é graças a Vale, que é patrocinadora da Orquestra Sinfônica de Ouro Preto e do Instituto Moinho Cultural Sul-Americano, então, existe essa contrapartida da empresa que patrocina a orquestra e promove esse intercâmbio com projetos sociais. Enviamos quatro vídeos e dois foram escolhidos”, explicou a diretora que completou destacando o talento dos dois selecionados.

“A Maria Eduarda, além de ser muito talentosa é muito focada e o Roque, foi uma surpresa pra gente, porque era um menino que começou a despontar. Ele tem um talento artístico muito bonito, é sensível e consegue passar um sentimento bom quando ele toca”, contou.

O coordenador de Música do Moinho, Emanuel Teixeira destacou a importância que a experiência deve trazer para o crescimento dos dois na música, além de servir com incentivo aos outros estudantes. “Eleva a autoestima, é um reconhecimento pessoal, profissional.  Ao todo, o Moinho tem cerca de 60 alunos de música e essa grande conquista serve de exemplo para os demais, para que se esforcem e progridam na área”, analisou.

Oportunidade

Em 2018, Maria Eduarda completa o ciclo pedagógico no Instituto Moinho Cultural Sul-Americano. Por isso, a oportunidade de uma apresentação em um grande evento como o espetáculo Valencianas, em seu último ano fazendo parte da ONG, é vista como uma prova da eficiência da metodologia aplicada no Instituto.

“Fiquei um pouco surpresa (ser selecionada) porque não esperava, achava que meus colegas estavam mais preparados que eu. Antes de entrar no Moinho eu tinha vontade de tocar violão, mas nunca tive a oportunidade. Quando entrei, tive essa oportunidade na música e conheci o violino. Ainda não sei como será sem o Moinho, não consigo imaginar, metade da minha vida passei aqui. É estranho pensar que ano que vem, não vou fazer mais parte disso, que terei que deixar meus colegas, professores e seguir minha vida”, disse Maria Eduarda que, influenciada pela metodologia do Instituto, pretende estudar Relações Internacionais.

Empenho e disciplina

A diretora Márcia Rolon ressalta que a ideia principal do Moinho Cultural é prepará-los para a competitividade do mercado de trabalho e o convite para o intercâmbio mostra que o empenho e a disciplina são recompensados. “É uma realização, porque a gente os prepara pra isso. Dar uma metodologia de música e dança bem feita, com qualidade, ou seja, fazer com que eles se sintam competitivos no mercado de trabalho. Não adianta fazer mais ou menos, se fizer uma 'musiquinha' ou uma 'dancinha', eles não vão chegar a lugar nenhum e vão se frustrar. Então, a experiência no Moinho Cultural é importante porque é com metodologia de excelência, com bons profissionais, com muita disciplina. Nós temos que prepará-los para o mercado de trabalho e eles provam que estão prontos”, finalizou.

O Instituto Moinho Cultural Sul-Americano conta com o patrocínio da Vale Mineradora (máster); da Cielo, BrazilFoundation; Itaú Social e tem como parceiros: J.Macedo, Sesc, Prefeitura de Corumbá, Prefeitura de Ladário, Prefeitura de Puerto Suárez, Prefeitura de Puerto Quijarro, Instituto Homem Pantaneiro, IFMS, UFMS e Acaia Pantanal.

Ações e Compartilhamento
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE