Menu

Fale Conosco Expediente Buscar

Corumbá, MS
18 de Agosto de 2018
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
 

Mulher de Tio Arantes era responsável por finanças do PCC em MS

Campo Grande News em 12 de Junho de 2018

A mulher de Tio Arantes,Tânia Cristina Lima de Moura, 46 anos, presa nesta manhã durante a Operação Paiol, era responsável pelas finanças da facção criminosa no Estado, de acordo com o comandante geral da Polícia Militar em MS, coronel Waldir Ribeiro Acosta, em coletiva de imprensa no fim da manhã desta terça-feira (12) no Batalhão de Choque.

Saul Schramm/Campo Grande News

Comandante da PM durante coletiva de imprensa no Batalhão de Choque

A ação, deflagrada nesta manhã pelo Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado) com apoio do Batalhão de Choque e do Bope (Batalhão de Operações Policiais Especiais), cumpre ao todo 39 mandados em Mato Grosso do Sul - 27 de prisão e 12 mandados de busca e apreensão.

Além de Tânia, foram presos o agente penitenciário Adilson Brum Weis, 55 anos, servidor do Instituto Penal de Campo Grande, Elvis Alves Pereira, 25 anos, e André da Silva Frotis, 26 anos. Até o momento, foram apreendidas na Capital quatro armas - sendo um Fuzil AR-15, submetralhadora Hugger 9 milímetros, espingarda e uma pistola calibre 765. Além disso, foram  apreendidos 343 munições de diversos calibres e 800 gramas de Skank – a “super” maconha.

Segundo o coronel, somente em Campo Grande foram sete mandados de busca e apreensão, sendo três de prisão preventiva e quatro de busca e apreensão. Na casa de Tânia, foram encontrados diversos recibos de transação bancária. “Provavelmente, era ela a responsável pela finança do grupo aqui no Estado”, disse o comandante.

Também foram localizadas diversas munições importadas na residência do agente penitenciário. Todas são de calibre de arma de uso permitido, porém, o servidor não apresentou nenhuma autorização para guardar as munições em casa.

Durante a coletiva de imprensa, o comandante não citou a prisão de André, mas ele foi detido por volta das 11h por uma equipe do Bope com balança de precisão e seis quilos de maconha, no Jardim Novos Estados. O homem foi levado para a Depac (Delegacia de Pronto Atendimento Comunitário) do Centro.

Execução

O coronel Waldir Acosta também disse que a polícia investiga se a morte do policial militar reformado Ilson Martins Figueiredo, 62 anos, está relacionada com o PCC. Segundo o comandante, a princípio não há como afirmar se há ou não ligação. Porém, a polícia não descarta nenhuma possibilidade. “Policiais militares do Bope, Choque e policiais civis ainda investigam a motivação deste crime”, afirma.

Além disso, ele aproveitou para reforçar que a operação de hoje não tem envolvimento com a execução de Ilson. O policial militar reformado foi assassinado com tiros de fuzil AK-47 na manhã de ontem (11), na avenida Guaicurus, em Campo Grande. Ele era o chefe da segurança da Assembleia Legislativa.

A vítima seguia sentido bairro, quando foi interceptada pelos atiradores. O 1º sargento perdeu o controle da direção e derrubou o muro de um comércio. Ilson morreu na hora. Os dois veículos usados pelos atiradores era clonados e foram incendiados logo após a execução.

Ilson tem histórico conturbado, inclusive, com prisão no Paraguai, há exatamente 10 anos, por envolvimento com o pistoleiro Aparecido Roberto Nogueira, conhecido como Betão, assassinado em 2016. Antes disso, o policial chegou a ser preso em 1982 por suposto envolvimento em dois assaltos e assassinatos em Campo Grande.

 

Ações e Compartilhamento
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE