Menu

Fale Conosco Expediente Buscar

Corumbá, MS
18 de Junho de 2018
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
 

Caminhada busca sensibilizar população de Corumbá sobre importância da adoção

Ricardo Albertoni em 19 de Maio de 2018

Ricardo Albertoni/Diário Corumbaense

A 2ª Caminhada da adoção de Corumbá e Ladário movimentou o centro de Corumbá

Na manhã deste sábado, 19 de maio, a 2ª Caminhada da adoção de Corumbá e Ladário movimentou o centro de Corumbá. Coordenada pelo GAAP (Grupo de Apoio e Adoção do Pantanal) formado por pais adotivos, funcionários das casas de acolhimento e pessoas interessadas no processo de adoção, a ação foi alusiva ao Dia Nacional da Adoção, celebrado no dia 25 de maio.

Ao Diário Corumbaense, o coordenador do GAAP, o empresário Elson Moreira, explicou que o objetivo é conscientizar a população sobre o tema, transmitindo a informação principalmente para parte do público que não sabe da existência das casas de acolhimento na região. Em Corumbá e Ladário, hoje são 40 crianças e adolescentes afastados das famílias por questão de desestrutura. Ao todo são 3 casas de acolhimento na região.

“Viemos para as ruas para conscientizar a sociedade sobre a importância da adoção. Hoje temos 3 casas de acolhimento em Corumbá e Ladário e nem toda a população sabe disso. Estamos passando essa informação e trazendo as pessoas para junto do grupo. Nessas casas de acolhimento, existem crianças maravilhosas que não estão em busca de bens materiais, estão em busca de uma família”, enfatizou Elson.

Antes da panfletagem e caminhada, os participantes se reuniram no Jardim da Independência. Além de integrantes do Projeto Padrinho, do Núcleo Psicossocial do Fórum, do juiz Maurício Cleber Miglioranzi Santos, titular da Vara Cível da Infância e Juventude, este ano, houve a participação de entidades convidadas como Lions Clube, Moinho Cultural, Patrulheiros Mirins, do Instituto Novo Olhar, Rede Feminina de Combate ao Câncer, além do apoio da Agetrat, Guarda Municipal e Polícia Militar.

Ricardo Albertoni/Diário Corumbaense

Panfletagem que aconteceu na rua Frei Mariano, entre Treze de Junho e Dom Aquino

“Cada vez mais a sociedade está participando. Esse ano tivemos o apoio de algumas entidades, além de 'pais do coração' que já estão com seus filhos em casa. Então, estamos torcendo para que cada ano que passa mais pessoas participem e para que menos crianças estejam nas casas de acolhimento”, ressaltou o coordenador da entidade não governamental

Organizador do evento, o GAAP - Grupo de Apoio e Adoção do Pantanal surgiu por sugestão do juiz Maurício Cleber Miglioranzi Santos, titular da Vara da Infância e Juventude e equipe técnica, após constatação da baixa procura de pedidos de adoção e apadrinhamento.

O principal propósito do grupo é a troca de experiências entre os pais adotivos e as pessoas que estão pretensas à adoção. De acordo com o magistrado, desde sua criação, o grupo tem conquistado grandes avanços, principalmente na questão da desmistificação da adoção.

Ricardo Albertoni/Diário Corumbaense

A concentração aconteceu no Jardim da Independência

“O GAAP tem sido uma mola propulsora da adoção em Corumbá. Temos muito a avançar, mas tem sido importantíssimo justamente para desmistificar alguns dogmas que existem com relação a adoção e tem contribuído muito em especial com as crianças e adolescentes que estão nas casas de acolhimento hoje em Corumbá”, explicou o titular da Vara da Infância e Juventude ao Diário Corumbaense.

O juiz Maurício lembrou que não é apenas através da adoção que a sociedade pode participar das ações. Empresas, prestadores de serviços e a população em geral podem ser voluntários.

“Nós temos também uma campanha que se chama 'Crianças Invisíveis' que tenta mostrar para a comunidade de Corumbá e Ladário crianças e adolescentes que precisam de apoio independentemente dos projetos de adoção. Temos o Projeto Padrinho pelo qual os parceiros podem ajudar prestando serviço, empresas podem ser parceiras e até mesmo as pessoas que possuem um desejo de ajudar e não sabem como, podem nos procurar através do Núcleo Psicossocial do Fórum para que tenham mais informações para poder contribuir com essas crianças”, informou o juiz.

Após a panfletagem que aconteceu na rua Frei Mariano, entre Treze de Junho e Dom Aquino, com carro de som, faixas e cartazes os participantes percorreram a principal rua da área central, Frei Mariano, depois a Delamare, Quinze de Novembro, retornando ao Jardim da Independência onde o percurso foi encerrado.

Ações e Compartilhamento
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE